Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Funk detalha massacre em Manaus e ameaça o Estado

A música, com cerca de 2 minutos e meio, se refere à facção Família do Norte, que seria a responsável pela rebelião e pelas mortes

Um funk que circula desde quarta-feira nas redes sociais detalha a rebelião que resultou na morte de 56 presos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, no primeiro dia de 2017. A música, com cerca de 2 minutos e meio, se refere à facção Família do Norte (FDN), responsável pela rebelião e pelas mortes.

Com vários erros gramaticais, o funk dá detalhes sobre a motivação dos crimes. “Aqui é o crime organizado. Está tudo monitorado. Fechado aos aliado, representa o nosso Estado. Decretado o poder, a ordem vou te dizer. Foi batido o martelo pra ‘torar’ (matar) os PCC. O comando é um só, tá daquele jeito. Representa FDN, junto é o Comando Vermelho. Pega a visão, é a conexão”.

Em outro trecho, a violência utilizada nas mortes é lembrada. “Tomamo de assalto todo o cadeião. Quem pagou de doido, sentiu o poder da família. O bagulho foi mais doido, batemo igual galinha. Foi troca de tiros, polícia não peitou. A bala comendo solto e a Rotam recuou. Tava tudo dominado, a cadeia em nossa mão. Os preso tudo decapitado, na quadra do cadeião”.

No final, a letra diz que a força da facção do norte está apenas começando. “Vou passando outra visão para o Estado se ligar. Nossa estrutura aqui é forte e jamais vão nos derrubar. Pode anotar, escreve o que eu to falando. A força da FDN só tá começando. Então não desacredita que a guerra só começou. É a Família do Norte botando o maior terror. Nós aqui é pelo certo e não aguenta safadeza. Foi mídia no mundo todo, arrancamo várias cabeças. Um aviso eu vou dar, então fica ligado. Somos da FDN e CV lado a lado”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. César Augusto

    1 – Magaiver Vieira Rodrigues; tráfico de drogas e porte de arma de fogo. 2 – Artur Gomes Peres Junior; tráfico, roubo e estupro de 15 mulheres – ele contaminava as vítimas com HIV. 3 – Raijean Encarnação Medeiros; estupro e aliciamento. 4 – Dheik da Silva Castro; tráfico de drogas e roubo. 5 – Francisco Pereira Pessoa Filho; estupro de menores e assassinato – matou uma adolescente de 14 anos com 15 facadas. 6 – Rafael Moreira da Silva; tráfico e assassinato. 7 – Errailson Ramos Miranda; estupro e assassinato de uma criança de 4 anos.

    Curtir

  2. Miltinho Sales

    Se for p se matarem, to achando bom. Que se matem logo.

    Curtir

  3. Micky Oliver

    METAM UMA BOMBA NESSES PRESÍDIOS TODOS E PRONTO!!!

    Curtir

  4. Gilberto Barros Sampaio

    Essa violência toda é resultado da impunidade que assola o país, a começar pelos nossos representantes nas três esferas de poder, que são os primeiros a praticarem atos ilícitos e ficarem impunes. Este país só vai ter jeito quando Jesus Cristo descer dos céus, já que a justiça dos homens é, e continuará cheia de falhas.

    Curtir

  5. Gilberto Barros Sampaio

    Até quando esse país virará chacota internacional? Até quando toda essa gama de malfeitores dominará o país? Sinceramente, não vejo uma luz no fim do túnel. Está tudo perdido! Infelizmente, não acredito mais em nossos representantes. Mamãe me acode!

    Curtir

  6. Alex Cardozo

    funk é “música” de quem não vale nada, lixos, parasitas. Tem que morrer mais bandidos, vão para o inferno.

    Curtir

  7. Almerio P. Gaertner

    O governo fraco não consegue liquidar essa fatura e se ve alvo de chacota de marginais. Ação e o que faz necessário.

    Curtir

  8. Sergio Cihgral

    É louvável constatar que o funk brasileiro é utilizado para temas de construção social, de moralidade, combate à violência, e outras benesses, tais como: honestidade, não ultrajar, ética, discrição, respeito, caráter, cidadania… e, nunca lança letras machistas que fazem da cidadã brasileira um objeto que se presta ao sexo subserviente. Viva a arte! (…ironia?)

    Curtir