Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fundador da Gol é absolvido de tentativa de homicídio contra ex-genro

Empresário Nenê Constantino era acusado de encomendar a morte de Eduardo Queiroz Alves, que sobreviveu a atentado contra o carro que dirigia

O empresário Constantino de Oliveira, conhecido como Nenê Constantino, fundador da companhia aérea Gol, foi absolvido nesta terça-feira da acusação de tentativa de homicídio duplamente qualificado contra o ex-genro, Eduardo Queiroz Alves. O julgamento no Tribunal do Júri de Brasília levou quase 12 horas.

Em 2008 Queiroz sobreviveu a um atentado: seu carro foi alvejado cinco vezes quando ele saía do trabalho. Segundo a promotoria, o crime teria sido encomendado por Constantino, que foi acusado de contratar dois homens para matar o ex-marido da filha. Pouco antes do crime, os dois haviam se desentendido sobre o patrimônio da família – o empresário estaria irritado porque não queria dividir os ativos de uma empresa de ônibus.

Os quatro primeiros jurados absolveram o fundador da Gol, o que provocou a conclusão do júri popular. Também foi absolvido o PM reformado Antônio Andrade de Oliveira que, de acordo com a acusação, teria sido contratado para matar Queiroz. O terceiro envolvido, José Humberto de Oliveira Cruz, não compareceu ao julgamento, pois está hospitalizado – ele deve ser ouvido nesta quarta-feira. No total, treze pessoas deveriam ter sido ouvidas em júri, mas três não compareceram ao tribunal e uma foi dispensada pelo Ministério Público.

Em 2010, Nenê Constantino foi detido pela tentativa de homicídio. A prisão aconteceu durante uma audiência sobre outro processo, que apura a morte de Márcio Leonardo de Sousa Brito, de quem o empresário também é acusado de encomendar o assassinato, em 2001. Dias depois, Constantino obteve um habeas corpus e passou para prisão domiciliar. José Humberto de Oliveira Cruz cumpre prisão preventiva e Antônio Andrade de Oliveira aguardou o julgamento em liberdade.

(Da Redação)