Clique e assine com até 92% de desconto

Filha publica carta com acusações contra Olavo de Carvalho

Heloisa de Carvalho publicou texto com objetivo de "desmascarar" o pai, com grande repercussão na internet; filósofo contesta afirmações

Por Da Redação Atualizado em 18 set 2017, 23h04 - Publicado em 18 set 2017, 17h11

Em texto divulgado em seu perfil no Facebook e no blog Prometheo Liberto, a bacharel em direito Heloisa de Carvalho Martins Arribas, filha do filósofo Olavo de Carvalho, faz acusações graves contra o pai. Entre outras coisas, ela diz que ele já apontou uma arma contra os próprios filhos e tratou com descaso o abuso sexual que ela sofreu quando era criança.

As acusações vêm ganhando destaque na internet desde o fim de semana. No Twitter, o número de menções a Olavo de Carvalho passou de 212, no dia 16 (sexta-feira), para 5 059 no dia 17 (sábado). No Google, o número de buscas começou a subir bruscamente no dia 17 às 10h, até chegar ao pico na madrugada desta segunda-feira, às 2h, com crescimento superior a 500%.

A VEJA, conta ter escrito a “Carta Aberta a um Pai” com a intenção de “desmascarar” Olavo, pensador popular entre internautas conservadores, com 185.000 seguidores no Twitter.

Segundo Heloisa, ao relatar casos em que o filósofo foi um pai e um marido ruim e ausente para ela, seus irmãos e sua mãe, pretende “acabar com o mal que ele faz para as pessoas”, em uma referência, nas palavras dela, aos “aprendizes” que Carvalho amealha entre alunos de cursos e seguidores nas redes sociais, “vítimas de técnicas de lavagem cerebral”. Pelo relato de “podres” do pai, pretende desmontar a imagem de homem “conservador e cristão” que o colocou entre pensadores de referência da direita brasileira nos últimos anos.

Na conversa com a reportagem, Heloisa afirma que, apesar dos casos que relata na carta, acreditou que o pai “havia mudado, se tornado uma pessoa melhor”. A divergência teria sido retomada após o filme Jardim das Aflições, longa dirigido por Josias Teófilo em homenagem ao trabalho do filósofo. Heloisa intercedeu em favor de Daniel Aragão, que teria participado da produção do filme antes de ser excluído dos créditos e da divisão dos lucros, momento em que diz ter ouvido ofensas e rompido a relação com o filósofo.

Afastada do pai, Heloisa procurou conhecer os argumentos de alguns críticos do trabalho de Olavo de Carvalho, relata ter aberto “os olhos” e decidido então publicar o texto, ressaltando os aspectos familiares em uma resposta à “imagem de pai de margarina” que a obra associou ao filósofo. Na carta aberta, diz que Olavo já foi internado em clínica psiquiátrica, que fazia “farras” quando ela ainda era criança e estava em casa.

Continua após a publicidade

“Tudo o que escrevi é um recado para você: muda enquanto dá tempo para você se transformar em um ser humano decente. E não diga que eu me uni ao diabo. Isso sempre foi um direito só seu! Eu não preciso me unir a ninguém para falar e contar sobre você. E pode ter certeza de que lembro de muito mais coisas”, afirma na postagem. À reportagem, Heloisa também estabelece uma relação entre o pai e os planos presidenciais do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que configurariam “um projeto de poder, no nível de ter exército de matadores”. “Não que ele queira um cargo, meu pai quer poder e influência.”

  • ‘Crime sem vítima’

     

    A VEJA, Carvalho afirma que ela não apresenta provas do que publicou em sua “Carta Aberta a um Pai”, que seus demais filhos, irmãos de Heloisa, já o procuraram para manifestar solidariedade e a desmentiram publicamente, por meio de redes sociais.

    “Ela me acusa de ter ameaçado os meus filhos com um revólver na mão. E eles dizem que isso não aconteceu. É muito simples, ela tem sete irmãos, nenhum dos sete confirma o que ela está dizendo. Então é o crime sem vítima. Esse é um primeiro detalhe. Se houve um crime, há uma vítima, há um corpo de delito, então cadê a vítima? Isso nunca aconteceu, uma [filha] falou: ‘eu nunca fui ameaçada nem com chinelo na mão’”, diz Olavo de Carvalho, para quem Heloisa Arribas “não está boa da cabeça”.

    A respeito da outra acusação no texto de Heloisa, o filósofo afirma que sequer sabia do suposto caso de abuso sexual contra sua filha. “Se ela sofreu um abuso sexual aos nove anos, quem foi o criminoso? Quem abusou dela? Por que ela não dá o nome? Ela acoberta o criminoso e vem acusar o pai quase 40 anos depois. Uma coisa que eu realmente não sabia. É um negócio totalmente sem provas, sem testemunha, sem coisa nenhuma, sem base nenhuma”.

  • Olavo de Carvalho relata ter tido pouco contato com Heloisa Arribas desde que se mudou para os Estados Unidos, há doze anos. “A última vez que eu encontrei, em pessoa, foi no dia em que eu parti para os Estados Unidos, em maio de 2005. Nesse ínterim, ela só teve contato comigo por telefone, rarissimamente”, diz ele, que conta ter indicado um psiquiatra à filha quando ela se queixou de problemas psicológicos e também tê-la auxiliado financeiramente.

    Em 2016, segundo o filósofo, ele enviou a Heloisa 100.000 reais. “Eu fui mandando de dois [mil] em dois [mil], mas chegou uma hora ela falou: ‘estou com uma oportunidade de um negócio, eu vou entrar, preciso de um capital’. Mandei 60.000 de uma vez. Somando tudo deu 100.000”, afirma Carvalho, que completa: “não adianta dizer que é ressentimento de infância, porque o ressentimento até uns meses atrás não existia”.

    Ele atribuiu as acusações da filha ao fato de ela não ter sido incluída no filme Jardim das Aflições, que trata da vida e da obra de Olavo de Carvalho. Além disso, para Carvalho, Heloisa Arribas tem sido influenciada pelos irmãos Jorge e Carlos Velasco, que mantêm o blog Prometheo Liberto. “O ressentimento apareceu quando estreou o filme Jardim das Aflições. Ela telefonou ofendidíssima, porque meus filhos estavam todos participando do filme e ela não. Em seguida, começou a exigir que eu desse não sei quantas entradas gratuitas para a estreia do filme. Eu disse ‘olha eu não tenho controle nenhum desse negócio, nem sei como é isso’. Mandei ela falar com o Josias Teófilo, Josias deu as entradas que ela queria. Ainda assim isso não a satisfez”, relata.

    Continua após a publicidade
    Publicidade