Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

FHC: Futuro do PSDB é mais incerto do que do euro

Ex-presidente diz que cenário tucano para as eleições 2012 é incerto

“É mais fácil falar o futuro do euro do que o do PSDB!”. Com estas palavras, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso referiu-se – durante uma breve visita à capital argentina nesta terça-feira – ao cenário que desponta sobre o partido dos tucanos. “A política é imprevisível”, frisou o ex-presidente, levantando ironicamente a sobrancelha direita. No entanto, destacou a importância das prévias que o partido – que em 2013 completará um quarto de século de existência – fará para definir qual será o candidato à prefeitura de São Paulo.

“Começa a existir um interesse em função da prévia. Isso é importante”, sustentou. Mas, depois ressaltou que “é muito cedo, ainda falta muito tempo para as eleições”. FHC preferiu não emitir preferências sobre os atuais pré-candidatos do PSDB: “Se eu tivesse um preferido, não poderia dizê-lo”. O ex-presidente afirmou que “quem deve definir isso são os delegados (do partido). E eu não sou delegado…”.

O ex-presidente indicou que as acusações existentes sobre irregularidades na gestão do prefeito Gilberto Kassab devem ser analisadas pela Justiça: “Ora, como disse o presidente Lula e a presidente Dilma, temos que ver. Deixa a Justiça julgar”.

Sobre a “faxina” exigida por setores da população à presidente Dilma, Fernando Henrique afirmou que será “inevitável”: “A pressão da opinião pública é tão grande que ela terá que tomar medidas, porque não há alternativas”.

O ex-presidente afirmou que a Comissão da Verdade “é importante”: “Temos que virar essa página. Eu fui o primeiro a criar uma comissão para reconhecer o que havia sido feito. E pedi desculpas pelos excessos do estado brasileiro”. No entanto, FHC considera que a comissão não deve ter “espírito de revanchismo”. Mas, ressaltou que “as pessoas têm o direito de saber o que aconteceu”.

Palestra – Fernando Henrique realizou a palestra sobre conjunta latino-americana no contexto da crise internacional no elegante Palácio Errázuriz, sede do Museu de Arte Decorativo.

(Com Agência Estado)