Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Em almoço com Temer, FHC elogia aprovação da PEC do teto

Tucano e peemedebista se encontraram nesta terça-feira no Palácio do Jaburu. FHC disse a Temer que economia do país está "degradada"

Por Da redação Atualizado em 12 out 2016, 20h01 - Publicado em 12 out 2016, 19h52

Em almoço com o presidente Michel Temer nesta quarta-feira, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso classificou a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que limita o aumento dos gastos públicos como o primeiro passo para tirar o país da crise. FHC disse que o Brasil enfrenta um quadro econômico “degradado” e por isso se mostrou satisfeito com a vitória do governo no Câmara. Também participaram do encontro o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes e o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima.

A avaliação, durante o almoço, foi a de que a aprovação da chamada PEC do Teto em primeiro turno pela Câmara, com 366 votos, é um importante sinal de que o governo tem força para recuperar a economia. A proposta ainda será submetida a uma segunda etapa de votação, no próximo dia 24, e, depois, encaminhada ao Senado.

Temer disse a FHC que também pretende promover um jantar com senadores da base aliada, nos mesmos moldes do que foi organizado com os deputados, no domingo. A bancada do PSDB na Câmara votou em peso a favor da PEC, nesta segunda-feira.

Leia também:
Temer: aprovação da PEC foi ‘vitória maiúscula’

Reforma política e eleições municipais foram outros dois assuntos que fizeram parte da conversa no Jaburu. A partir da próxima semana, líderes dos partidos devem discutir a reforma política e tratar de alterações no sistema eleitoral. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciou hoje que há uma reunião marcada com os líderes e com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), no próximo dia 18, para tratar do tema.

No encontro desta quarta-feira, Gilmar Mendes manifestou preocupação com a pauta da reforma política discutida no Congresso e disse ser necessário encontrar uma forma eficaz de financiamento eleitoral. Sob a presidência de Mendes, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) identificou irregularidades e fraudes na doação para campanhas, na disputa deste ano, a primeira em que passou a valer a proibição do financiamento empresarial.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade