Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Falido, RJ faz de tudo para conseguir dinheiro federal

Pacote de medidas impopulares lançado pelo governo obriga a população a pagar a conta do caos no estado

A má gestão das contas públicas, combinada à corrupção que a Lava Jato vai escancarando e à crise econômica do país, derreteu o equilíbrio entre receitas e despesas em várias unidades da federação. Mas em nenhum outro Estado a situação é tão grave quanto no Rio de Janeiro. Reportagem de VEJA desta semana detalha o processo de derrocada financeira do Estado – e explica por que a alternativa às medidas impopulares anunciadas pelo governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) é ainda pior do que o pacote draconiano para cortar custos que o governo fluminense lançou mão.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no iba clube.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Edson Miranda

    O Rio de Janeiro é um exemplo típico de como os nossos políticos além de corruptos, são incompetentes, medíocres e péssimos gestores. O Rio de Janeiro poderia ganhar muito dinheiro com o TURISMO, investindo pesado na infraestrutura, segurança, saúde, mobilidade urbana, etc. para receber bem os turistas, mas não, depende da esmola do petróleo e ainda investe em olimpíadas. Falando em olimpíadas os “expertises gênios da economia” que comentavam sobre o legado das olimpíadas e copa do mundo sumiram, será que estão com vergonha ? rsrsrrsrsrrs 🙂

    Curtir

  2. Sugestão Brasil

    QUE VERGONHA. RIO QUE SE GABOU PELA OLIMPÍADAS RIO-2016 E AGORA PASSANDO POR ESTA SITUAÇÃO. Os responsáveis por autorizar este evento deveria era de tomar vergonha na cara, isso é improbidade administrativa e crime de responsabilidade. Se o Brasil não tem dinheiro, arcar com investimentos astronômicos e agora? que feiura ficou o pós olimpíadas.

    Curtir

  3. Depois da farra com o dinheiro publico os governadores correm para Brasília, só que lá o miseree e igual. O pior ee que ninguém da elite estatal abre mão dos privilégios e a corda arrebenta nos mais fracos.

    Curtir