Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Facção Família do Norte tem time de futebol e campeonatos

Um dos principais líderes da facção Família do Norte, José Roberto Fernandes Barbosa chegou a investir R$ 320 mil para disputar um torneio

Por Da redação 3 jan 2017, 08h53

Além de se vangloriar de comandar uma facção com 200.000 homens cadastrados e com senhas, o traficante José Roberto Fernandes Barbosa, o Pertuba, não deixava de falar do seu time de futebol, o Compensão. Um dos principais líderes da facção amazonense Família do Norte, Pertuba chegou a investir 320.000 reais na equipe para conseguir disputar o campeonato amador “Peladão”.

A FDN, com dinheiro arrecado pela “caixinha” paga pelos integrantes da facção, organizava campeonatos dentro e fora do sistema prisional amazonense e patrocinava seu próprio time.

  • Segundo a Polícia Federal, em relatório da Operação La Muralla, nos campeonatos internos cada equipe é financiada por uma liderança da FDN. Para os investigadores, a prova da relação da facção com as disputas no sistema prisional são os uniformes “patrocinados” pela lideranças.

    No caso do “Compensão”, o time disputa campeonatos amadores oficiais no Amazonas e é de propriedade de Pertuba há cerca de sete anos. Em pouco mais de seis meses de investigações, segundo a PF, “foram interceptadas e analisadas mais de 1 milhão e 100.000 mensagens e chamadas telefônicas relacionadas a todo tipo de práticas criminosas” praticadas por integrantes da FDN.

    Leia também:
    ‘Estado perdeu controle dos presídios’, dizem especialistas
    No Amazonas, criminoso em fuga posta foto em rede social

    Entre esses mensagens, a PF identificou algumas trocadas entre a advogada Lucimar Vidinha e Pertuba na qual ele afirma que o time do “Compensão” representa a FDN e todo o crime no Estado do Amazonas. As mensagem apontam que o escudo da agremiação da organização criminosa estaria nos muros de todas as cadeias amazonenses.

    Nos dias de jogo do “Compensão”, diz o relatório da PF, a FDN envia mensagens, conhecidas como “salves”, chamando os integrantes da facção para compareceram aos jogos com faixas com os nomes das lideranças.

    (Com Estadão Conteúdo)

    Continua após a publicidade
    Publicidade