Clique e assine com até 92% de desconto

Exaltada por Bolsonaro, cloroquina dispara em vendas e some da política

Entre fevereiro e março, com o avanço da epidemia do coronavírus e tendo o presidente como garoto-propaganda, a comercialização do remédio aumentou 362%

Por Eduardo Gonçalves Atualizado em 8 Maio 2020, 11h48 - Publicado em 8 Maio 2020, 11h41

A histeria sobre a cloroquina durou pouco. Assim como desapareceu das prateleiras das farmácias, o remédio também sumiu do debate político. Alçado à possível cura para a Covid-19 pelo presidente Jair Bolsonaro – “Deus é brasileiro e a cura tá aí” -, o remédio ganhou até torcida organizada entre os seus apoiadores. Nas últimas semanas, a ciência tem se aplicado com afinco para descobrir se o medicamento usado para malária e lúpus é eficaz para tratar pacientes com o novo coronavírus. Para a medicina, nenhum estudo ainda é conclusivo sobre o seu uso no tratamento do vírus.   Agora, em termos econômicos, a propaganda em prol do produto surtiu um efeito para lá de positivo.

De fevereiro a março, a venda de cloroquina e hidroxicloroquina nas farmácias saltou de 79.659 para 365.016 caixas – um aumento de 362%. Os dados obtidos por VEJA foram contabilizados pela Sindusfarma (Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos). Para se ter uma ideia, no acumulado de 12 meses até fevereiro de 2020, a venda do remédio era de 974.669 unidades. Um terço deste número (365.016) foi vendido só em março deste ano. Os dados de abril ainda não foram computados.

ASSINE VEJA

Quarentena em descompasso Falta de consenso entre as autoridades e comportamento de risco da população transforma o isolamento numa bagunça. Leia nesta edição
Clique e Assine

O entusiasmo em torno do remédio se esvaeceu na mesma velocidade com que o número de mortes por Covid-19 subiu exponencialmente no Brasil e Estados Unidos, hoje apontados como os principais epicentros da doença no mundo. Os dois países liberaram o uso do remédio para o tratamento de pacientes infectados com coronavírus. Apelidado nas redes sociais de “remédio do Bolsonaro”, o medicamento ganhou postagens quase diárias publicadas pelo presidente entre o fim de março e início de abril, o que incluiu até a exibição das marcas comercializadas no Brasil. Depois, os anúncios se arrefeceram, e Bolsonaro ajustou o tom dizendo que não queria “impor” a cloroquina a ninguém e que a “comprovação” era só “lá na frente”. 

  • Nesta quinta-feira, dia 7, foi publicado um estudo no New England Journal of Medicine, que concluiu que o remédio não causou nem dano nem benefício no tratamento contra a Covid-19. Entre os pacientes que receberam a substância, 32,3% acabaram precisando de um ventilador ou faleceram, ante 14,9% dos pacientes que não tomaram o medicamento.

    No Brasil, um estudo da Prevent Senior, publicado em 17 de abril, demonstrou que a combinação de hidroxicloroquina com o antibiótico azitromicina em pacientes com sintomas leves reduziu em 2,8 vezes o risco de infecção. As duas pesquisas ainda carecem de ensaios clínicos e se somam às mais de 60 que estão sendo feitas no mundo inteiro para investigar os efeitos do remédio.

    Continua após a publicidade
    Publicidade