Clique e assine a partir de 9,90/mês

Ex-juiz Nicolau dos Santos Neto morre aos 91 anos de Covid-19

Apelidado de "Lalau", ele ficou conhecido em 1999 ao protagonizar um dos maiores escândalos do sistema judiciário brasileiro

Por Luiz Felipe Castro - Atualizado em 19 Jun 2020, 23h02 - Publicado em 31 May 2020, 22h30

O ex juiz Nicolau dos Santos Neto, morreu na madrugada deste domingo, 31, aos 91 anos, com suspeita de coronavírus, no hospital São Luís, no bairro do Morumbi. A informação foi confirmada a VEJA pelo advogado de Nicolau, Celmo Márcio de Assis Pereira, que disse que há alguns dias seu cliente foi hospitalizado e internado com quadro de pneumonia.

Nesta sexta-feira, 19 de junho, outros advogados que representavam Nicolau, Erick Dionísio e Daniel Varea, informaram que a causa da morte foi choque séptico, decorrente de Covid-19.

O ex-juiz ficou conhecido em 1999 pela condenação em três processos relacionados a desvios de 170 milhões de reais (mais de 1 bilhão de reais em valores corrigidos) das obras do Fórum Trabalhista de São Paulo na Barra Funda, da qual foi presidente de 1990 a 1992. Ele ainda dirigiu a comissão de obras da corte de 1992 a 1998.

Na época, quando ganhou o apelido de “Lalau”, o Ministério Público Federal, alertado por denúncias de um ex-genro de Nicolau, constatou que seu patrimônio, que incluía uma casa de luxo no Guarujá, um apartamento em Miami e 4 milhões de dólares em contas na Suíça era incompatível com os rendimentos do magistrado. Todos esses bens foram confiscados pela Justiça, em denúncia que envolvia o senador Luiz Estevão, também condenado criminalmente no mesmo processo.

Continua após a publicidade

Nicolau foi preso em caráter preventivo em 2000 e em 2006 foi condenado a 26 anos de prisão pelo Tribunal Regional Federal da 3.ª Região (TRF3) sob acusação de lavagem de dinheiro, corrupção e fraude no processo de concorrência do fórum. Em 2007, alegando depressão, foi transferido para o regime domiciliar, mas ainda passou pela prisão de Tremembé, em São Paulo, entre 2013 e 2014. O ex-juiz morreu batalhando na Justiça para voltar a receber a sua aposentadoria, cassada em dezembro de 2013.

Publicidade