Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Estatísticas oficiais mostram queda de homicídios no Rio

Nos três primeiros meses do ano, queda foi de 18,6%, em relação a 2010. Na série histórica, março teve menor número de vítimas desde 1991

Por Cecília Ritto 16 Maio 2011, 16h48

O estudo divulgado nesta segunda-feira pelo Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro (ISP), órgão ligado à secretaria de Segurança do governo estadual, confirma o panorama de redução dos índices de criminalidade no estado. No quesito letalidade violenta – que engloba homicídio doloso, latrocínio, auto de resistência e lesão seguida de morte -, houve redução de 137 casos, na comparação de março de 2011 com o mesmo período de 2010. No acumulado dos três primeiros meses de 2011 e dos três primeiros de 2010, a diminuição chegou a 313 casos, o que representa menos 18,6%.

A série histórica de homicídios dolosos, iniciada em 1991, mostra que este ano o mês de março teve o menor número de vítimas desde então, comparando com a mesma época dos outros anos. Em 2010, foram 492 vítimas fatais e, em 2011, 374. Isso representa uma redução de 24% da ocorrência desse tipo de homicídio.

O roubo de rua, que inclui ataques a transeuntes, roubos de celulares e assaltos dentro dos ônibus, também sofreu uma queda significativa em março deste ano em relação ao mesmo mês de 2010. No período, houve menos 1.169 registros, o equivalente a menos 15,5%. O assalto a transeunte diminuiu 13,6%, enquanto o roubo de aparelho celular reduziu para 13,6% e os ataques a coletivos feitos por ladrões caíram 21,6% – comparações referentes ao meses de março deste ano e de 2010.

O roubo de veículos apresentou menos 495 casos, uma diminuição de 24,3%. No total de roubos, abarcando ai todas as suas especificidades, houve uma queda de 1924 registros em março deste ano. Quanto ao total de furto, a redução foi de 1758 casos.

A meta desse semestre de 2011 da Secretaria de Segurança Pública é reduzir 6,67% da letalidade violenta, 5,13% do roubo de veículo e 4,64% do roubo de rua. Esses delitos são considerados estratégicos para a secretaria.

As estatísticas oficiais também vêm demonstrando queda em um tipo de crime que atinge os agentes de segurança e suas famílias. Para esses grupos, a boa notícia é que, de janeiro a março, não foi registrara morte de policiais em serviço. No entanto, no mesmo dia em que o estudo do ISP é divulgado, dois policiais militares foram baleados fora do horário do expediente, na manhã desta segunda-feira. Um dos policiais foi assassinado quando saia de um bar em Santa Cruz, zona oeste do Rio. O corpo foi encontrado dentro de um carro. O outro PM, que também estava no bar, foi atingido nas pernas.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês