Clique e assine a partir de 9,90/mês

Engenheiros e funcionários da Vale responsáveis por barragem são presos

Ministério Público suspeita de fraude em laudos técnicos que atestaram segurança do empreendimento; ao todo, cinco pessoas foram detidas temporariamente

Por Da Redação - Atualizado em 29 jan 2019, 18h19 - Publicado em 29 jan 2019, 06h47

Dois engenheiros terceirizados da Vale, André Yassuda e Makoto Manba, ligados ao projeto da barragem que se rompeu em Brumadinho, foram presos nesta terça-feira, 29, em São Paulo. Eles são suspeitos de fraudarem laudos técnicos da empresa, permitindo operações na barragem da Mina Córrego do Feijão e atestando sua estabilidade. As ordens de prisão foram expedidas pela Justiça de Minas Gerais.

Também foram presos, em Minas Gerais, outros três funcionários da Vale diretamente envolvidos e responsáveis pelo empreendimento. Cesar Augusto Paulino Grandchamp, geólogo, Ricardo Oliveira, gerente de Meio Ambiente Corredor Sudeste e Rodrigo Artur Gomes de Melo, gerente executivo do Complexo Paraopeba, todos funcionários da Vale. Os mandados de prisão temporária têm validade de 30 dias. Outros sete mandados de busca e apreensão também foram cumpridos em Belo Horizonte e em São Paulo, na sede de uma empresa que prestou serviços de consultoria para a mineradora.

A ação envolve a Polícia Federal, o Ministério Público Estadual e Federal e a Polícia Civil, além de policiais, promotores e procuradores de Minas. Em nota, a Vale afirmou que colabora “plenamente” com as autoridades: “A Vale permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas.”

Vítimas

O número de mortos na tragédia subiu para 65 na última atualização da Defesa Civil mineira. Ainda há 279 desaparecidos. Outras 386 pessoas, entre trabalhadores da companhia e moradores da região, foram localizados e resgatados.

Continua após a publicidade

(Com Agência Brasil)

Publicidade