Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Empresário relata drama ao tentar resgatar sobrevivente em avião

Dono de pousada que ajudou na tentativa de resgate é o primeiro a depor sobre o caso; ‘não estou mais aguentando’, gritava jovem que resistiu à queda

A Polícia Civil começou a ouvir as primeiras testemunhas da queda do avião que matou o ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), e outras quatro pessoas. O primeiro a prestar depoimento foi Elias Ramos Lima, dono da pousada Ilha Rasa, que fica a menos de 200 metros do local. Ele participou das primeiras tentativas de resgate dos tripulantes e relatou momentos dramáticos vividos dentro da água.

Elias disse que estava na sua agência de turismo quando foi avisado por uma prima, às 14h19, do acidente. Imediatamente, ele e um funcionário pegaram uma lancha e entraram no mar para tentar ajudar. O empresário viveu, então, momentos de angústia. A jovem Maíra Panas, de 23 anos, uma das passageiras, estava viva. E gritava por ajuda. Dois bombeiros tentavam uma maneira de furar a fuselagem do avião para entregar ao menos um cilindro de oxigênio. “Só dava para ver a mão dela batendo no vidro. Mas a gente conversava. Ela gritava por socorro. Me ajuda, pelo amor de Deus. Não estou mais aguentando”, lembra.

Os bombeiros e os próprios voluntários que entraram no mar para ajudar tentaram, primeiro, quebrar o vidro. Depois, tentaram abrir a porta, mas, como praticamente toda a aeronave estava submersa, não conseguiram: “Usamos pé de cabra, faca, machado, tudo, mas não conseguimos quebrar a fuselagem. Teve uma hora que o bombeiro cravou a faca e ela segurou, no desespero. Isso ficou uns 40 minutos. Quando conseguimos tentar passar o oxigênio, ela já não respondia mais. Por um ou dois minutos não conseguimos salvá-la”, diz Elias, se ficou com algumas partes do corpo queimadas em virtude do querosene dentro d’água.

O inquérito foi instaurado pela 167ª Delegacia de Polícia (Paraty): “Vamos ouvir as testemunhas nessa fase inicial e aguardar maiores detalhes dos relatórios da perícia e do próprio Cenipa (órgão da Aeronáutica que investiga acidentes)”, explicou o delegado Uriel Alcântara.

Além de Elias e dos bombeiros que participaram do resgate, a Polícia Civil pretende ouvir testemunhas que viram o momento exato da queda para esclarecer que tipo de fumaça também havia ao redor da aeronave nos segundos que precederam a queda na água. Paralelamente, a Polícia Federal também instaurou inquérito para apurar as circunstâncias da queda do avião. Uma equipe enviada pelo Ministério da Justiça também acompanha a perícia.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Leonidas Santos

    Pelo relato dos amigos essa garota era muito batalhadora, bem diferente do perfil da pérfida imaginação de muitos insanos comentaristas de várias redes sociais; estou rezando por ela e todas as outras vítimas do previsível “acidente”, se a primeira tentativa de pouso não deu acerto porque não arremeter e ir para Angra dos Reis, considerando , que a visibilidade estava nula segundo os moradores do local!!

    Curtir

  2. Morcegao Voador

    Maira era uma pessoa de bem , morava na minha cidade no mato grosso depois veio para são paulo , tive aula de dança com ela , e ela era incrível tinha uma energia e alegria incrível vai deixar saudades .

    Curtir