Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Em Roraima, mulher de ex-governador ficha-suja é favorita

Suely Campos é mulher do ex-governador Neudo Campos (PP), e terminou o primeiro turno à frente na disputa com o governador, Chico Rodrigues (PSB)

Por Felipe Frazão 26 out 2014, 08h05

Os quase 300.000 eleitores de Roraima decidem neste domingo se mantêm no cargo o atual governador, Chico Rodrigues (PSB), ou o substituem por Suely Campos (PP) – que entrou na disputa eleitoral no lugar do marido, barrado pela Lei da Ficha-Limpa. Suely é mulher de Neudo Campos (PP), ex-governador do Estado, e terminou o primeiro turno à frente, com 41,48% dos votos válidos. Rodrigues marcou 37,62%. Pesquisas de intenção de voto apontam uma vantagem ainda maior para ela no segundo turno: 51% contra 40%. Se confirmada na urna, a votação tornaria Suely a primeira mulher alçada candidata após a renúncia do marido a vencer a eleição. Em 2010, Joaquim Roriz tentou emplacar a mulher, Weslian, em manobra do tipo no Distrito Federal – sem sucesso.

Leia também:

Estados: vitória em Minas turbina PT, e PSB encolhe

Apesar da liderança, a aliança de Suely tem apenas três partidos coligados, enquanto Rodrigues conseguiu agrupar vinte siglas. A derrota do governador representa um revés para o grupo político que reúne, além do PSB, tucanos e peemedebistas. O engenheiro agrônomo e ex-deputado federal pelo DEM de 63 anos fez campanha com apoio de Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência da República. Roraima é um dos únicos Estados onde o tucano saiu vitorioso na região Norte.

Eleito vice-governador em 2010, Rodrigues herdou o mandato de José de Anchieta Jr. (PSDB), que se licenciou para concorrer ao Senado – e foi derrotado por Telmário Mota (PDT). Ele tem como candidato a vice-governador Rodrigo Jucá (PMDB), filho do senador peemedebista Romero Jucá. Mesmo que Rodrigues vença a eleição, o PSB não conseguirá evitar um encolhimento em relação ao tamanho do eleitorado que passou a governar em 2010. O partido chegou a governar 14,6% do eleitorado brasileiro (20,9 milhões de pessoas). No primeiro turno, porém, só conseguiu manter o domínio em Pernambuco, Estado em que a trágica morte do ex-governador Eduardo Campos alterou o cenário de possível derrota para o PTB. Além de Roraima, o partido disputa o segundo turno no Amapá, Paraíba e Distrito Federal – um total de 5,4 milhões de eleitores (3,8%), sem chances, portanto, de recuperar o eleitorado conquistado em 2010.

Ex-deputada federal pelo extinto PFL e ex-vice-prefeita de Boa Vista (RR), Suely assumiu a candidatura em setembro, quando Neudo Campos liderava as pesquisas de intenção de voto. Ela é empresária e tem 61 anos. Seu marido renunciou porque a Justiça Eleitoral negou o registro de sua candidatura – Campos foi condenado por peculato pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região. O Tribunal de Contas da União também rejeitou contas da administração dele por falta de comprovação de gastos em obras de mobilidade urbana.

Continua após a publicidade
Publicidade