Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Em Nova Friburgo, mais de 1.000 moradores de áreas de risco serão removidos a partir desta terça

A tragédia na região serrana completa uma semana com saldo de 678 mortos

Por Da Redação 18 jan 2011, 06h53

Os moradores que se negarem a sair das áreas de risco poderão ser obrigados pela Justiça a fazê-lo

No dia em que a tragédia que devastou a região serrana do Rio de Janeiro completa uma semana, as pessoas que seguem morando em áreas de risco na cidade de Nova Friburgo – a mais afetada pelas chuvas – começarão a ser retiradas de suas casas. De acordo com o jornal O Globo, as remoções devem ter início nesta terça-feira pelo bairro de Alto Floresta. A possibilidade de novos deslizamentos coloca em risco máximo 18 localidades de Friburgo – e nem todos os moradores dessas regiões deixaram voluntariamente as casas onde vivem.

Blog VEJA Acompanha: Tudo sobre a tragédia das chuvas no Rio de Janeiro

Ainda segundo o jornal, cerca de 1.405 pessoas devem ser removidas das áreas de risco. A decisão de retirar os sobreviventes desses locais foi tomada em conjunto pelo Ministério Público estadual, a Defesa Civil e a prefeitura de Nova Friburgo. O número de moradores que seguem vivendo nessas regiões é incerto porque o próprio governo admite que muitos possam estar mortos ou já terem saído de casa por conta própria.

O promotor Vinicius Leal Cavalheiro, coordenador das promotorias de Tutela Coletiva do estado, explicou ao jornal que os moradores que se negarem a sair das áreas de risco poderão ser obrigados pela Justiça a fazê-lo. “Em caso de recusa do morador de sair, acionamos o promotor que estiver no Fórum para solicitar que o juiz analise o caso com pedido de liminar”, afirmou. “Se fossemos levar ao pé da lei, quase toda a cidade teria que ser removida porque não é permitida a construção em encostas. Mas a cidade já está consolidada e temos que avaliar o que precisa ser corrigido para evitar tragédias”, completou.

Abrigos serão instalados em diversos pontos da cidade para receber os desalojados. Começou a funcionar na cidade, na tarde de segunda-feira, um telefone gratuito para registrar informações sobre desabrigados. O número 0800 022 1011, que tem atendimento 24 horas, passa a ser a partir de agora o mecanismo oficial de comunicação de desaparecimento para a Defesa Civil do município.

Balanço – O número de desabrigados nas regiões devastadas pelas chuvas já chega a quase 14.000. O último levantamento do governo do Rio de Janeiro dá conta de 13.830, mas os abrigos não param de receber gente que perdeu sua casa ou teve que abandoná-la devido ao alto risco de desmoronamento.

O número oficial de mortos chegou a 678 nesta terça-feira, de acordo com a Policia Civil. No total, em Teresópolis foram resgatados 277 corpos e em Nova Friburgo, 319. Nas demais cidades, os números seguem sem alteração. Em Sumidouro, 19 corpos foram resgatados, em Itaipava (distrito de Petrópolis) 58, quatro em São José do Vale do Rio Preto e um em Bom Jardim.

A quantidade de desaparecidos também impressiona, agora que os serviços de registro começam a funcionar. Em Teresópolis, a prefeitura informou que o número na Central de Cadastro de Desaparecidos pulou de 36 para 177. Em Petrópolis, há 26 desaparecidos, em Sumidouro, há outros cinco. Em Nova Friburgo, pode haver centenas de pessoas isoladas.

Continua após a publicidade
Publicidade