Clique e assine a partir de 8,90/mês

Em meio a corte de gastos, Temer sinaliza verba ao Carnaval do Rio

Após reunião com dirigentes de escolas de samba, presidente pede a dois ministérios que compensem corte de R$ 13 milhões anunciado pela prefeitura carioca

Por Da Redação - Atualizado em 25 jul 2017, 16h56 - Publicado em 25 jul 2017, 16h55

No mesmo momento em que anuncia medidas para sanear as contas públicas, como cortes no Orçamento, lançamento de Programa de Demissão Voluntária para servidores públicos e aumento de tributos sobre combustíveis, o presidente Michel Temer (PMDB) sinalizou nesta terça-feira que pode ajudar as escolas de samba do Rio de Janeiro a realizarem o Carnaval de 2018.

A medida seria uma forma de compensar o corte de R$ 13 milhões para a festa anunciado pelo prefeito Marcelo Crivella (PRB) – a ajuda do governo federal deverá ser do mesmo valor. “O Carnaval faz parte da cultura e do turismo brasileiro. Ainda há pouco, recebi presidentes das escolas de samba que estarão contigo hoje. Ajude-os”, afirmou se dirigindo ao ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, durante cerimônia de posse.

O presidente da Estação Primeira de Mangueira, Francisco Carvalho, conhecido como Chiquinho da Mangueira, disse que Temer “garantiu que vai buscar um caminho para ajudar a festa”. “Viemos pedir ao presidente que ele completasse esse corte que foi feito e ele garantiu que o governo federal vai ajudar através dos ministérios da Cultura e do Turismo”, disse.

De acordo com o carnavalesco Milton Cunha, os dirigentes e integrantes das escolas de samba do Rio terão reuniões ainda nesta tarde nos ministérios da Cultura e do Turismo para discutir o assunto. “Imagine o Rio de Janeiro sem Carnaval. A cidade perde seu espírito”, disse.

Já empossado, o ministro da Cultura disse que é preciso avaliar as possibilidades para anunciar qualquer medida. “Vamos analisar com cuidado a situação e ver de que maneira podemos ajudar. O governo brasileiro e o Ministério da Cultura reconhecem a importância do Carnaval do Rio de Janeiro e vão fazer o que for possível para que aconteça em 2018 com ainda mais força”, disse Sá Leitão, que lembrou que a festa carioca tem grande impacto econômico e gera retorno financeiro para a sociedade e o governo.

O deputado federal Pedro Paulo (PMDB-RJ), que participou da reunião de Temer com as escolas de samba, afirmou que o presidente prometeu R$ 13 milhões para o evento. “Ele garantiu esses recursos”, afirmou. Segundo ele, o montante será conseguido via “patrocínio ou via apoio direto do orçamento do governo federal”.

O deputado disse que Temer determinou que Sá Leitão e o ministro do Turismo, Marx Beltrão, façam “a engenharia necessária” para garantir a promessa feita aos sambistas. “O presidente falou que podemos voltar e anunciar o Carnaval do Rio com os mesmos recursos dos outros anos'”, afirmou o deputado carioca.

Participaram da reunião dirigentes da Beija-Flor, Mangueira, Portela, Unidos da Tijuca, Grande Rio, Salgueiro e Mocidade Independente de Padre Miguel e da Liesa (Liga das Escolas de Samba do Rio).

 

Continua após a publicidade
Publicidade