Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em luto, UFSM suspende atividades até dia 1º

Ao menos 101 vítimas de incêndio em boate eram alunos da universidade

A Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) suspendeu todas as atividades acadêmicas até o dia 1º de fevereiro por causa da tragédia que causou a morte de 231 pessoas em Santa Maria, no interior do Rio Grande do Sul. No site da instituição, aparece o símbolo de luto. Ao menos 101 mortos eram estudantes da universidade.

O incêndio com mais mortes nos últimos 50 anos no Brasil causou comoção nacional e grande repercussão internacional. Em poucos minutos, mais de 230 pessoas – na maioria jovens – morreram na boate Kiss, em Santa Maria, cidade universitária de 261.000 habitantes. Outras 127 ficaram feridas.

A tragédia começou às 2h30 de domingo, quando um músico acendeu um sinalizador para dar início ao show pirotécnico da banda Gurizada Fandangueira. No momento, cerca de 1.500 pessoas acompanhavam a festa organizada por estudantes do primeiro ano das faculdades de Tecnologia de Alimentos, Agronomia, Medicina Veterinária, Zootecnia, Tecnologia em Agronegócio e Pedagogia da UFSM. Uma fagulha atingiu o sistema de exaustão da casa noturna, e o fogo se alastrou rapidamente pelo teto com papelão e material de proteção acústica. A maioria das vítimas, porém, não foi atingida pelas chamas – 90% morreram asfixiadas.

Leia também:

Conheça as vítimas da tragédia em Santa Maria

Segundo sócio da boate Kiss se entrega à polícia

Uma série de erros potencializou a tragédia. Sem porta de emergência nem sinalização, muitas pessoas em pânico e no escuro não conseguiram achar a única saída existente na boate. Com a fumaça, várias morreram perto do banheiro. Para piorar, seguranças da casa tentaram impedir alguns frequentadores de sair antes de pagar a comanda. Na rua estreita, o escoamento do público foi difícil. Bombeiros e voluntários quebraram as paredes externas da boate para aumentar a passagem. Mas, ao tentarem entrar, tiveram de abrir caminho no meio dos corpos para chegar às pessoas que ainda estavam agonizando. Muitos celulares tocavam ao mesmo tempo – eram pais e amigos em busca de informações.

(Com Estadão Conteúdo)