Clique e assine a partir de 8,90/mês

“Em Cuba, liberdade é palavra proibida”, diz Yoani no Rio

Na capital fluminense, blogueira cubana pode pela primeira vez circular sem enfrentar protestos de defensores da ditadura dos irmãos Castro

Por Luís Bulcão, do Rio de Janeiro - 24 fev 2013, 14h54

Pela primeira vez desde que desembarcou no Brasil, há uma semana, a blogueira cubana Yoani Sánchez pode participar de uma agenda sem enfrentar protestos. Ela desembarcou neste sábado no Rio de Janeiro, última cidade brasileira que visitará antes de seguir para a Europa. A ativista foi recepcionada com entusiasmo e até certo assédio por parte da população. Na passagem por outras capitais brasileira, como Recife, Salvador e São Paulo, Yoani teve eventos cancelados por causa de protestos e hostilidades de grupos de esquerda favoráveis à ditadura de Fidel e Raúl Castro. Em Brasília, até parlamentares e servidores do Congressos Nacional protagonizaram vergonhosas manifestações que tentavam impedir a blogueira de falar em público.

Às 10 horas, Yoani visitou o Forte de Copacabana acompanhada dos deputados cariocas Otávio Leite (PSDB), Luiz Paulo (PSDB) e Aspásia Camargo (PV). Ela bebeu água de coco na orla de Copacabana e recebeu muitos elogios e pedidos para tirar fotos. Em uma abordagem, um homem chegou a perguntar se a blogueira era comprometida. “Sou casada”, respondeu com educação.

Leia também:

Entrevista: ‘Tentam me calar porque divulgo a Cuba real’

Yoani Sánchez sobre dossiê: ‘Querem matar o mensageiro’

Continua após a publicidade

Vídeo: Por que Cuba tem medo de Yoani

Logo a seguir, a cubana visitou o Pão de Açúcar. No passeio, Yoani parou para tirar fotos com várias pessoas que a reconheciam. Um turista a abraçou e gritou “Cuba libre!”. A blogueira confessou, no entanto, não estar muito confiante com o futuro do seu país em curto prazo. Comparando com a liberdade que presenciou nos últimos dias no Brasil, ela descreveu “um abismo de diferença” entre os dois países.

“Há espaços para diversidade muitíssimos mais amplos (no Brasil) do que em Cuba, onde a liberdade de expressão está seriamente comprometida”, afirmou a dissidente. “Em cuba, liberdade é uma palavra proibida. Aqui se pode falar abertamente.” De acordo com ela, os leitores de seu blog sofrem represálias na ilha caribenha, como a perda temporária da licença para acessar a internet.

A paisagem carioca teve que dividir a atenção de Yoani com as notícias sobre Havana que a blogueira consultava constantemente no celular. A ilha passa por uma Assembleia Geral neste domingo. “Parece que há mais surpresas no teleférico do que na Assembleia de Cuba”, comentou Yoani, que disse não acreditar que as eleições controladas pelo partido único tragam novidades. Ela também aproveitou para postar fotos e fazer comentários no Twitter.

Europa – Yoani chegou ao Rio na tarde de sábado e ficou hospedada no hotel Barra Windsor. Após o passeio turístico deste domingo, ela diz que aproveitará o tempo restante na cidade para descansar. Na segunda-feira, a blogueira segue para a Europa, onde dará continuidade a sua primeira viagem ao exterior após ter recebido o passaporte cubano.

Em janeiro, entrou em vigor uma reforma migratória que eliminou a necessidade de permissão do governo cubano para deixar o país. Interpelada por um turista no Pão de Açúcar, Sánchez garantiu que retornará para sua terra natal após a viagem. “Volto com mais energia. Uma andorinha não faz verão. Mas somos muitos”, disse, em referência aos demais dissidentes do regime Castro. Do Brasil, a blogueira afirmou que leva experiência jornalística. Ela estuda montar uma rede de informação independente em Cuba.

Continua após a publicidade
Publicidade