Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Em Brasília, os manifestantes estão cada vez mais agressivos

O protesto de terça-feira chamou a atenção da PM pela fúria contra os policiais

Por Hugo Marques 15 dez 2016, 22h40

A cúpula da PM do DF demonstra preocupação sobre o protesto de 2000 manifestantes na última terça-feira em Brasília. Para a polícia, há muitas dúvidas sobre a real intenção dos manifestantes, que foram a Brasília para tentar impedir a votação da chamada PEC 55, que limitou o teto de gastos públicos nos próximos 20 anos. Há um conjunto de acontecimentos que deixaram os militares preocupados, principalmente a fúria dos manifestantes e a falta de reivindicações claras. A PEC foi aprovada no Senado na manhã de terça-feira.

foto-guerrilheiros-armas
Facas e punhais foram apreendidos

O coronel Hêlbert Borges, chefe da Comunicação Social da PM, diz que os manifestantes não avisaram sobre a realização do protesto. Vieram em ônibus de Minas, Paraná e Goiás como um exército silencioso. Ao contrário de protestos anteriores, dessa vez a polícia não conseguiu identificar os organizadores e não havia lideranças. Os militantes não estão vinculados a nenhuma organização sindical, estudantil ou partidária. O coronel diz que  a PM não os impediu de entrar na cidade, mas apenas fez as revistas necessárias.

foto-guerrilheiros
Ônibus foi queimado

Borges afirma que o que mais chamou a atenção foram as agressões gratuitas contra a polícia. Eles feriram oito policiais, com pedradas, pauladas e chutes. “Esse foi um evento diferenciado. Era como se fosse uma milícia organizada, uma tropa. Eles machucaram os policiais”, lamenta o coronel Borges. Segundo a PM, os manifestantes utilizaram coquetéis molotov, facas, punhais, porretes e até garfos. Utilizaram também estilingues para lançar bolinhas de gude e pedras contra os policiais. A PM apreendeu máscaras e roupas que eles levaram para trocar após os protestos.

foto-manual-guerrilheiro
PM apreendeu “manual do guerrilheiro urbano”, de Marighella

Segundo o coronel, 88 manifestantes foram detidos, para prestar depoimento. Borges diz que a grande maioria não portava documentos, para dificultar a identificação. Durante os protestos, destruíram vários carros numa concessionária e portas de bancos e de lojas. Um ônibus foi queimado. Para a PM, atacavam símbolos capitalistas. A PM e a Polícia Civil estão investigando se houve uma coordenação única para os protestos em Brasília, Rio e São Paulo, onde atacaram a sede da Fiesp. Em Brasília, chamou a atenção da polícia a cópia do “manual do guerrilheiro urbano”, do guerrilheiro Carlos Marighella, encontrada em um dos ônibus alugados para trazer parte do grupo a Brasília.

policiais-feridos
Oito policiais ficaram feridos
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês