Clique e assine a partir de 9,90/mês

Em 10 anos, horário eleitoral custou R$ 4 bilhões à União

Apenas em 2012, R$ 606 mi não serão recolhidos por causa das propagandas

Por Da Redação - 21 ago 2012, 10h45

Começa nesta terça-feira o horário eleitoral gratuito na televisão e no rádio. Gratuito, porém, é um termo que se aplica somente aos partidos. A veiculação da propaganda política na TV custa – e caro – para a União. Segundo levantamento da ONG Contas Abertas, desde 2002, a Receita Federal deixou de arrecadar 4 bilhões de reais por causa do horário eleitoral.

Leia também:

Russomanno lidera intenções de voto em SP, diz Datafolha

Campanha na TV começa nesta terça para esquentar eleições

Para compensar as perdas das empresas de comunicação, que deixam de faturar com anúncios durante os 60 minutos da propaganda eleitoral, a União arca com os custos ao proporcionar aos veículos o benefício da renúncia fiscal. O benefício às emissoras é garantido pela legislação eleitoral.

Em 2012, 606,1 milhões de reais deixarão de ser recolhidos por causa das propagandas partidárias. É como se cada um dos mais de 190,7 milhões de brasileiros, indiretamente, pagasse cerca de 3,18 reais para receber informações sobre os candidatos e os partidos políticos nas rádios e TVs.

Série de entrevistas:

Haddad a VEJA: “Quem determina o caminho sou eu”

Serra a VEJA: ‘Quero debater a cidade, não especular sobre 2014’

Celso Russomanno a VEJA: “Eu dou audiência”

Soninha a VEJA: “Eu vi no PT a Revolução dos Bichos”

Chalita a VEJA: ‘Quero dar as mãos para Alckmin e Dilma’

O cálculo é baseado no princípio de que a Receita Federal “compra” o horário das emissoras, permitindo que deduzam do imposto de renda 80% do que receberiam caso vendessem o período para a publicidade comercial. Nas negociações publicitárias, é hábito a comissão de 20% para as agências de publicidade. Na propaganda partidária, porém, não há nenhuma agência intermediando.

Continua após a publicidade

Mesmo quando não há eleições gerais nem municipais – caso de 2003, 2005, 2007, 2009 e 2011 – a isenção tributária para o horário eleitoral continua em vigor, pois nesses exercícios também são veiculadas propagandas institucionais de partidos políticos. Em 2009, por exemplo, quando não houve pleito, a estimativa de perda de arrecadação foi de 669 milhões de reais.

A isenção concedida às empresas de rádio e televisão é uma das mais altas na lista da Receita neste ano e supera, por exemplo, os benefícios tributários com o Programa Minha Casa, Minha Vida, estimado em 350,4 milhões de reais, e o incentivo a projetos desportivos e paradesportivos (138,3 milhões de reais). As empresas que patrocinam o esporte têm dedução de 1% a 6% do imposto de renda.

A estimativa da Receita para a perda de arrecadação no ano é feita com base na Declaração de Informações Econômico-fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ) do ano anterior. A estatística sobre a renúncia fiscal, segundo a Receita, é a mais próxima a que se pode chegar, tendo em vista que se trata de um método de inferência, ou seja, impossível saber o número exato. Dados definitivos são somente aqueles de arrecadação, quando os impostos realmente foram recolhidos.

Continua após a publicidade
Publicidade