Clique e assine a partir de 8,90/mês

Eleições: PSDB enfraquece no Sudeste. E PT, no Nordeste

Resultados do 2º turno dos pleitos municipais apontam ainda renovação no quadro político. Derrotas tucana em SP e petista em Salvador foram simbólicas

Por Da Redação - Atualizado em 10 dez 2018, 11h10 - Publicado em 29 out 2012, 10h50

O segundo turno das eleições municipais deste domingo não apenas projetou novos nomes na cena política nacional, como marcou a perda de força do PSDB no Sul e Sudeste do país e do PT nos estados do Nordeste. A lista de estreantes no Executivo municipal inclui o petista Fernando Haddad, vencedor em São Paulo, Gustavo Fruet (PDT), eleito em Curitiba, Geraldo Júlio (PSB), que venceu em Recife, e Roberto Cláudio, também do PSB, vencedor em Fortaleza.

Leia também:

Reinaldo Azevedo: O ‘novo’ Haddad traz velho lulismo em nova embalagem

Augusto Nunes: Os candidatos que pediram socorro a Dilma naufragaram

Entrevista: Vitória de Haddad não foi mágica. Foi erro do PSDB, diz Virgílio

Continua após a publicidade

O PMDB segue como o partido com maior número de prefeituras do Brasil, com 1.023 cidades, seguido por PSDB (702), PT (634), PSD (495), PP (467) e o PSB (442). O novato PSD conquistou neste domingo sua primeira capital: Florianópolis. O PSOL também obteve uma capital pela primeira vez da sua história, em Macapá (AP). E o PPS também faturou uma capital, Vitória, no Espírito Santo.

A leitura dos números finais das prefeituras conquistadas pelos partidos mostra o enfraquecimento do PSDB nas regiões Sudeste e Sul do país. Além da derrota de José Serra em São Paulo, a mais significativa para a sigla, o partido não conseguiu emplacar candidatos nas demais capitais da região. Os tucanos exerciam forte influência na capital paulista, na gestão de Gilberto Kassab (PSD), e em Curitiba, com Luciano Ducci (PSB). Em Belo Horizonte, o partido abriu mão de lançar candidato para apoiar a reeleição de Márcio Lacerda, do PSB, um projeto arquitetado pelo senador Aécio Neves.

No vídeo a seguir, Augusto Nunes, Reinaldo Azevedo e o historiador Marco Antonio Villa analisam o cenário político do Brasil após as eleições municipais de 2012: como ficaram os partidos, a situação das lideranças regionais e quem são os grandes vencedores. Para seguir lendo o texto, clique aqui.

A vitória mais simbólica dos tucanos no segundo turno ocorreu em Manaus, onde o ex-senador Arthur Virgílio derrotou a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB), candidata apoiada por Lula e pela presidente Dilma Rousseff – que chegou a fazer comício para tentar salvar a candidatura da comunista. Lula também se empenhou, sem sucesso, em vencer Virgílio, um dos maiores opositores ao seu governo até 2010.

Já o PT sofreu pelo menos três duras derrotas no nordeste: Fortaleza, Recife e Salvador. No caso da capital pernambucana, o revés ocorreu ainda no primeiro turno. Das três cidades, a mais simbólica foi Salvador porque a derrota foi para o DEM, legenda que faz a mais voraz oposição ao governo Dilma Rousseff no plano federal.

Continua após a publicidade
Publicidade