Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Economist’ elogia STF no caso do mensalão

O texto é acompanhado por uma ilustração de um trailer que vende saladas em frente ao Supremo Tribunal Federal e com o presidente da corte, Joaquim Barbosa, jogando pedaços de pizza no lixo

A revista The Economist que começa a circular nesta quarta-feira traz uma reportagem elogiosa ao combate à corrupção no Brasil. Com o título “Um cardápio mais saudável”, o texto brinca com o ditado nacional que diz que casos de corrupção sempre acabam em pizza. O texto é acompanhado por uma ilustração de um trailer que vende saladas em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF) e com o presidente do STF, Joaquim Barbosa, jogando pedaços de pizza no lixo.

Leia também:

Gurgel pedirá nesta semana prisão imediata de mensaleiros

Gurgel sobre Lula: ‘Nada deixará de ser investigado’

Freud Godoy: os rolos do faz-tudo de Lula

“Um escândalo particularmente descarado acabou tendo um fim surpreendentemente desagradável para alguns malfeitores proeminentes”, diz a revista ao citar o caso do mensalão. “Dos 38 acusados, 25 foram considerados culpados de acusações que incluem corrupção, lavagem de dinheiro e desvio de recursos públicos. Muitos receberam sentenças duras”, completa a revista.

A reportagem cita que, se nada mudar na decisão do Supremo, brasileiros poderão ter uma “visão sem precedentes” em 2013: políticos bem relacionados atrás das grades. A revista cita nominalmente o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, como exemplos.

A reportagem afirma que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não foi acusado no processo e sempre insistiu que “não sabia de nada”. “Mas Marcos Valério, um homem ligado à publicidade e condenado a 40 anos, diz ter provas de que Lula sabia o que acontecia e que parte do dinheiro sujo pagou despesas pessoais do ex-presidente”, cita a reportagem, ao comentar que a acusação pode ser uma tentativa “desesperada” de Valério de reduzir a pena. “Mas se ele tiver novas provas significativas, o mensalão ainda vai fazer barulho”.

(Com Estadão Conteúdo)