Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

E-mail revela que dinheiro ao PMDB foi repassado após eleições

Michel Temer teria pedido 10 milhões de reais para abastecer campanha de aliados do PMDB

Por Da redação 10 dez 2016, 15h53

Além de um explosivo depoimento aos procuradores da Lava Jato, o lobista da Odebrecht Claudio Melo Filho entregou provas em sua delação. Entre as quais, um e-mail no qual Marcelo Odebrecht, então presidente da empreiteira, trata com executivos do grupo dos pagamentos a “MT”, referência a Michel Temer. Na mensagem, datada de 9 de outubro de 2014, ele promete entregar o dinheiro em fevereiro de 2015 — após as eleições, portanto.

arte-delacao-odebrecht-temer

O valor serviria, segundo o delator, para o pagamento de 10 milhões de reais que Michel Temer pediu para campanhas de outros peemedebistas a Marcelo Odebrecht. A solicitação teria ocorrido em um jantar no Palácio do Jaburu, em maio de 2014. Melo Filho e Eliseu Padilha, deputado na época, teriam participado do jantar. A fatura foi paga em dinheiro vivo e registrada no setor de propinas da empreiteira.De acordo com o lobista, 6 milhões de reais abasteceram a campanha de Paulo Skaf, afilhado político de Temer, ao governo de São Paulo. Os 4 milhões restantes foram reservados a Padilha. Conta Melo Filho: “Mantive contatos telefônicos com Eliseu Padilha para tratar do assunto”.

Melo Filho diz que o montante de 4 milhões foi dividido entre três pessoas. Uma parte do dinheiro, não especificada, foi entregue em espécie no escritório de advocacia de Eliseu Padilha, o “Primo”, em Porto Alegre. Outra parte, não detalhada, foi entregue no escritório de advocacia de José Yunes, em São Paulo. O terceiro beneficiário foi o então deputado Eduardo Cunha, o “Caranguejo”, que não estava no jantar, mas teria ficado com 1 milhão de reais.

No e-mail em que Marcelo Odebrecht orienta seus funcionários a fazer o pagamento (veja reprodução ao lado), o executivo desabafa: “Depois de muito choro não tive como não ajudar”, escreveu ele, ao pedir em seguida a seu subordinado para avisar “MT” que não daria um tostão a mais ao “time dele”.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Continua após a publicidade
Publicidade