Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Durante a JMJ, visita ao Cristo deve ter hora marcada

Visitantes terão que agendar com antecedência, pela internet, o horário desejado para ir ao monumento durante a Jornada Mundial da Juventude

Por Cecília Ritto 26 abr 2013, 12h06

A Jornada Mundial da Juventude vai atrair ao Rio de Janeiro cerca de dois milhões de católicos entre os dias 23 e 28 de julho deste ano. Além de abarrotarem a praia de Copacabana e as duas fazendas de Guaratiba, onde o papa Francisco participará da vigília e da missa de encerramento, fiéis de todo o mundo são esperados em outro ponto da cidade: o alto do Corcovado, onde está a estátua do Cristo Redentor. Se em alta temporada turística já costuma dobrar o número de visitantes por dia no Cristo, na Jornada, a expectativa é de que triplique, e o monumento chegue a receber aproximadamente 50.000 pessoas por dia.

Um esquema já foi preparado para o aumento de católicos no Corcovado. Durante os dias do evento, a entrada só poderá ser comprada pela internet como uma maneira de evitar a superlotação do Cristo. No momento de efetuar a compra, será necessário que o turista informe o horário em que deseja ir ao monumento. Ficará disponível a faixa das 6h às 21h. Conforme a venda de tíquetes para cada horário se esgote, a organização do Corcovado começará a abrir novos turnos. Dependendo da demanda, o Cristo ficará aberto 24 horas todos os dias da jornada.

O monumento-símbolo do Rio também está cotado para receber o pontífice em uma de suas agendas paralelas aos atos centrais, aqueles nos quais Francisco já confirmou presença, como a via-sacra, a vigília e a missa de encerramento. Em janeiro, antes da renúncia de Bento XVI, Alberto Gasbarri, chefe no Vaticano do departamento que se dedica às viagens internacionais do papa, foi ao monumento para saber se havia condições de segurança para uma eventual ida de Bento. Com a mudança de pontífice, a arquidiocese passou a trabalhar com a possibilidade de aumentar os compromissos de Francisco no Rio.

Gasbarri está na cidade desde terça-feira rodando locais cotados para receber o papa. Na lista desta vez não estava o Cristo. Mas, provavelmente, porque o enviado do Vaticano já esteve este ano no monumento. Gasbarri visitou os dois locais onde acontecerão os atos centrais – Copacabana e Guaratiba -, o Palácio Guanabara, a Base Aérea do Galeão, o hotel Golden Tulip, na praia de Copacabana, onde ficarão os jornalistas internacionais, o hospital São Francisco de Assis, na Tijuca, a Quinta da Boa Vista, e as favelas do Complexo de Manguinhos e Mangueira, Tuiuti, Jacarezinho, Mandela e Varginha. Gasbarri também esteve em Aparecida na quarta-feira. São indicativos de uma agenda lotada do papa Francisco no Rio.

LEIA TAMBÉM:

Chuvas atrasam obras da Jornada Mundial da Juventude

Papa será recepcionado por coral de 100 vozes na praia

Bispos da JMJ terão hospedagem de graça em hotéis do Rio

JMJ: Rio espera invasão argentina em julho

Segurança da JMJ terá 12.000 policiais

Continua após a publicidade
banner JMJ Rio 2013
banner JMJ Rio 2013 VEJA
Continua após a publicidade
Publicidade