Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Doleiro Youssef fará ‘confissão total’, garante advogado

Deflagrada em março, a Lava Jato desbaratou um esquema de lavagem de cerca de R$ 10 bi liderado por Youssef e por Paulo Roberto Costa

Preso pela Operação Lava Jato da Polícia Federal e alvo de ações que o acusam de uma série de crimes, o doleiro Alberto Youssef vai fazer uma “confissão total dos fatos” nos depoimentos que prestará nos próximos dias, segundo o seu advogado, Antonio Figueiredo Basto. Youssef será ouvido a partir de um acordo de delação premiada, na qual diz o que sabe aos investigadores em troca de redução da pena. Esse acordo precisa ser aprovado pela Justiça, algo que ainda não ocorreu. “Acordo de colaboração pressupõe a confissão integral dos fatos, responder todos os fatos que for perguntado, a responsabilidade em colaborar com a Justiça”, afirmou o advogado do doleiro em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo. “As outras pessoas (apontadas por Youssef) vão ter o direito de se defender”, ressaltou Basto.

Leia também:

Campanha de Dilma em 2010 pediu dinheiro ao esquema do ‘petrolão’

Deflagrada em março deste ano, a Lava Jato desbaratou um esquema de lavagem de cerca de 10 bilhões de reais liderado por Youssef e pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. O ex-executivo da estatal já firmou um acordo de delação premiada em que revelou esquema de propina e desvios da estatal para políticos e partidos – inclusive a campanha de Dilma em 2010, conforme revelou a edição de VEJA desta semana. As investigações da PF apontam que o doleiro, assim como Costa, tinha contato com vários políticos, como os deputados federais André Vargas (sem partido-PR) e Luiz Argôlo (SD- BA).

Youssef também é suspeito de fazer negócios com dirigentes partidários. Uma das linhas de investigação da PF mira no tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. O petista, segundo as investigações, era um dos contatos de fundos de pensão com a CSA Project Finance, empresa de fachada de Youssef. “João Vaccari esteve várias vezes na sede da CSA, possivelmente a fim de tratar de operações com fundos de pensão com Cláudio Mente”, relatou à Justiça o advogado Carlos Alberto Pereira da Costa, apontado como laranja de Youssef. Vaccari nega ter participado de negociações com Claudio Mente.

Leia também:

Justiça homologa primeira delação premiada da Lava Jato

Justiça suspende transferência de réu da Lava Jato para presídio de segurança máxima

Vargas, por sua vez, é amigo de Youssef e foi alvo de processo na Comissão de Ética na Câmara que pediu a cassação de seu mandato por suas ligações com o doleiro. A empresa Labogen, controlada por Youssef, contou com a ajuda do parlamentar para se aproximar do Ministério da Saúde. Além disso, Vargas chegou a utilizar um jatinho pago pelo doleiro para sua viagem de férias com a família para João Pessoa (PB) em dezembro do ano passado. Ele admitiu que o episódio do jatinho foi um “equívoco”.

O parlamentar se desfiliou do PT após a Polícia Federal revelar suas relações com Youssef. Sua cassação ainda será votada no plenário da Câmara. Já Argôlo recebeu dinheiro do doleiro, segundo depoimento da ex-contadora de Youssef, Meire Poza. O próprio juiz Sergio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato que tramitam na Justiça Federal do Paraná, chegou a citar, em uma de suas decisões, os pagamentos de propinas realizados pelo doleiro “a parlamentares”. “Relativamente a Alberto Youssef, as medidas investigatórias revelaram seu suposto envolvimento, na condição de líder, de grupo criminoso dedicado à lavagem de dinheiro e a pagamento de vantagens indevidas a ex-diretor da Petrobras, sem contar pagamentos a dois parlamentares federais”, escreveu o juiz.

Passado – Considerado “criminoso profissional” por Moro, Youssef foi condenado a 4 anos e 4 meses de prisão por corrupção após ter descumprido um acordo de delação no caso Banestado – escândalo de evasão de divisas que pode ter alcançado 30 bilhões de dólares, nos anos 1990. Na época, ele se comprometeu com a Justiça a não voltar a cometer crimes. Após ser pego pela Lava Jato, contudo, seu acordo foi rompido. Por esse motivo, autoridades ainda estão reticentes em aceitar ou não o acordo de delação na Lava Jato.

(Com Estadão Conteúdo)