Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Deputado do ES publica foto de filha de 10 anos empunhando pistola

Capitão Assumção (PSL) afirmou que a imagem mostra o 'verdadeiro empoderamento'. Com base no Estatuto da Criança, sindicato vai ao MP por apuração

Por Redação - Atualizado em 7 nov 2019, 16h09 - Publicado em 7 nov 2019, 16h08

O deputado estadual do Espírito Santo Capitão Assumção (PSL) publicou em seu perfil no Instagram uma foto que mostra sua filha, de 10 anos, empunhando uma pistola automática em um estande de tiro.

Na postagem, feita no dia 24 de outubro e curtida por 6.903 pessoas na rede social, Assumção diz que a imagem mostra o “verdadeiro empoderamento”. “Ensinando às nossas filhas o verdadeiro empoderamento! NUNCA SERÁ FEMINAZI!”, escreveu, referindo-se pejorativamente às feministas. A menina usa uniforme escolar na foto.

 Reprodução/Instagram

No dia seguinte, após ser criticado, o deputado divulgou outra imagem na rede social, na qual afirmou que “não adianta me bloquear, feminazis dos infernos! Vamos dar um basta no politicamente correto!”. “VAI TER CRIANÇA EMPUNHANDO ARMA SIM!!Aprendam a respeitar as opiniões. Chega de marxismo cultural no Brasil!!”, completou, na legenda.

Duas semanas depois, a foto da criança com a pistola em punho continua visível na página do Capitão Assumção no Instagram.

Publicidade

O presidente do Sindicato dos Advogados no Espírito Santo, Luiz Télvio Valim, anunciou que fará uma representação junto ao Ministério Público estadual para que o caso seja apurado. A representação será feita com base no artigo 242 do Estatuto da Criança e do Adolescente, que prevê prisão de 3 anos a 6 anos de prisão a quem “vender, fornecer ainda que gratuitamente ou entregar, de qualquer forma, a criança ou adolescente arma, munição ou explosivo”.

Mais recentemente, na segunda-feira 4, Capitão Assumção publicou um vídeo em que a filha e um filho dele atiram com armas de airsoft em um estande de um shopping em Vitória. “Você acha que o bandido ia ficar vivo?”, pergunta o deputado à garota, filmando o alvo alvejado. “Não, ia ficar morto”, responde a criança.

“Tô sem tempo de levá-los para o tiro real. Daqui a pouco estaremos de volta com uma Glock”, postou Assumção na legenda do vídeo. Ele se define na rede social como “bolsonarista”, “armamentista”, “instrutor de tiro”, “conservador”, “capitalista”, “pró-vida” e “anti-drogas”.

“Recompensa” por morte

Capitão Assumção já havia gerado polêmica em setembro, quando, em um discurso no plenário da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (ALES), ofereceu uma recompensa de 10.000 reais a quem matasse o suspeito de assassinar uma mulher diante da filha dela, de 4 anos, em Cariacica (ES).

Publicidade

“[Quero dar] 10 mil do meu bolso para quem mandar matar esse vagabundo. Isso, não merece estar vivo não. Eu tiro do meu bolso para quem matar esse vagabundo aí”, declarou. “Não vale dar onde ele está localizado. Tem que entregar o cara morto, aí eu pago. Porque vagabundo, vagabundo, que tira a vida de inocente vai lá usar o sistema para ser beneficiado?”.

Publicidade