Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Depois de mais de 40 horas, termina rebelião no Paraná

Governo acatou uma das demandas dos detentos, de transferir presos para outros Estados

Terminou por volta das 11h30 desta quarta-feira a rebelião que ocorria desde a manhã desta segunda-feira no Presídio Industrial de Guarapuava, na Região Centro-Sul do Paraná, segundo informou a Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos. Uma das reivindicações dos detentos, a de transferência de presos para penitenciárias em outros Estados, foi acatada pelo governo do Paraná.

Todos os nove agentes penitenciários e sete detentos mantidos como reféns foram soltos. Os cerca de quarenta presos que lideravam o motim fizeram uma espécio de rodízio com os reféns: cada um dos agentes ficava um período no telhado amarrado a um para-raios. O grupo de rebelados estava no telhado do presídio, de onde ameaçavam jogá-los caso não fossem atendidas suas reivindicações ou a polícia tentasse invadir o local. Ao longo das mais de 40 horas que durou a rebelião, 160 presos foram feitos reféns – alguns conseguiram escapar.

Além da demanda atendida pelo governo, a polícia diz que os detentos também reivindicavam melhorias internas na unidade e reclamavam de maus-tratos por parte da administração, além de pedirem progressão de pena para os presos com direito a transferências para outras carceragens no Paraná e em Santa Catarina. Existe também a suspeita, não confirmada, de que a rebelião estivesse ligada às transferências recentes de chefes do Primeiro Comando da Capital (PCC) do presídio de Cascavel – onde lideraram um motim – para Guarapuava.

Leia também:

Dez agentes seguem reféns em rebelião no Paraná

Quatro presos são mortos durante rebelião em presídio

No presídio do horror, rebelião termina com preso morto e monitor baleado

Presídio de Pedrinhas: quem pode, foge – e volta ao crime