Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Denúncia de João Dias atinge campanha presidencial do PT

Ao revelar desvios no governo de Brasília, delator do esquema no Esporte também relatou ter ajudado a pagar dívidas de campanha petista em 2006

Por Gabriel Castro 8 dez 2011, 13h08

No depoimento que prestou à Polícia Militar, nesta quarta-feira, o soldado João Dias conta que sua relação com Paulo Tadeu, secretário de Governo do Distrito Federal, teve início ainda em 2006. O motivo: o policial intermediava a arrecadação de recursos para o comitê regional da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva. Delator de esquemas de corrupção no Ministério do Esporte e no governo de Brasília, Dias conta que ajudou a cobrir um rombo milionário na coordenação local da candidatura a presidente.

“Foram repassados 1 milhão de reais de forma parcelada ao deputado Paulo Tadeu para o pagamento das campanhas regional e presidencial no 1º e no 2º turno para presidente, para que o deputado pudesse ser o coordenador”, afirma Dias no depoimento obtido por VEJA. O episódio é relatado de forma breve, quando o delator explica o surgimento de sua relação pessoal com o atual homem forte do governador Agnelo Queiroz.

Registro – O policial diz que o registro de saques de uma agência da Caixa Econômica Federal (CEF) pode comprovar as transações financeiras. A unidade fica na cidade de Sobradinho, onde vive João Dias. O soldado relata que as informações também foram repassadas à Polícia Federal (PF). No depoimento à Polícia Militar, no entanto, João Dias não detalha a origem dos recursos. O período a que o delator se refere ainda é anterior à descoberta das fraudes no Ministério do Esporte, reveladas em 2008. Dono de entidades que mantinham contratos milionários com a pasta, João Dias foi acusado de desviar recursos dos contratos. Ele alega que o PCdoB, partido de Agnelo à época, cobrava propina para manter os convênios.

Os desmandos tiveram início justamente na gestão do atual governador do Distrito Federal, que comandou a pasta entre 2003 e 2006. Na campanha que João Dias diz ter ajudado a financiar, Agnelo foi candidato a senador pela coalizão petista. João Dias foi detido nesta quarta-feira após entrar no palácio do governo distrital e jogar 200.000 reais em dinheiro no gabinete de Paulo Tadeu. Durante a confusão, o delator ofendeu uma funcionária e quebrou o dedo de um policial militar.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)