Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Delegado acusado no caso Abadia é demitido da polícia

Por Marcelo Godoy

São Paulo – O delegado Pedro Luis Pórrio, seis investigadores e dois agentes foram demitidos da Polícia Civil nesta segunda-feira, 23. A expulsão foi publicada no Diário Oficial do último sábado, 21. Pórrio é um dos policiais acusados de envolvimento em achaques a traficantes colombianos da quadrilha de Juan Carlos Abadía. Ele trabalhava no Departamento Estadual de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) quando teriam ocorridos os achaques. Mas o caso que provocou sua demissão e a dos demais policiais ocorreu pouco depois de ele deixar o Denarc, em 2007.

Pórrio e os demais policiais são acusados de achacar R$ 35 mil de um traficante de drogas em Campinas. Os policiais teriam detido cinco suspeitos na cidade do interior de São Paulo. Na época, os policiais trabalhavam na Delegacia Seccional de Osasco, na Grande São Paulo. O traficante estava sendo investigado pela PF, que gravou a negociata e repassou as fitas à Corregedoria da Polícia Civil e ao Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) de Campinas.

Na época, o Gaeco apurou que após o primeiro achaque, de R$ 35 mil, o delegado e os investigadores exigiram mais dinheiro do traficante. Depois, teriam torturado o criminoso, uma mulher e outro amigo dele. Numa das ligações interceptadas, a mulher do bandido afirma a um policial civil que não tem mais dinheiro. Em outro diálogo, um investigador chama uma pessoa de chefe e também fala sobre dinheiro. O autor do telefonema seria o investigador Antonio Cabalero Cursi. Ele trabalhou com Pórrio no Denarc.

Os policiais do departamento teriam tomado R$ 2,7 milhões dos traficantes colombianos Abadía e de Ramón Manoel Yepes Penagos, conhecido como El Negro, ambos presos em 2007 em São Paulo.

Além de Pórrio e Cursi, também foram demitidos Francisco Pessoa, Luis Claudio de Oliveira, Pablo Pereira Xavier, Regina dos Santos e Sandro dos Santos e os agentes policiais Daniel Dutra e Eduardo Benevides. Todos os policiais negam as acusações e alegam inocência.

O processo administrativo do caso Abadia em que Pórrio é acusado ainda não teve uma decisão final.