Clique e assine a partir de 8,90/mês

Crise atual é a mais grave desde 2ª Guerra, avalia Dilma

Por Da Redação - 20 jun 2012, 17h20

Por Gustavo Porto e Bianca Ribeiro

São Paulo – A economia mundial enfrenta a mais grave crise desde a 2ª Guerra Mundial e importantes nações então em ritmo mais lento, quando não estão em recessão. A advertência fez parte do discurso da presidente Dilma Rousseff na abertura oficial da Rio+20 nesta quarta-feira.

A presidente cobrou políticas de ajuste que atinjam “as partes mais frágeis da sociedade” e criticou os modelos de desenvolvimento. “São modelos de desenvolvimento que esgotaram a capacidade de responder aos desafios contemporâneos.”

Dilma cobrou ainda “políticas indutoras de crescimento e emprego” como “a única via segura para o crescimento da economia” e disse estar consciente de que “a recuperação, para ser estável, tem de ser global”. Ainda segundo ela, “é forte a tentação de tornar absolutos os interesses nacionais na resolução de crises.”

Modelo sustentável

Na avaliação de Dilma, o Brasil tem avançado com o modelo de desenvolvimento sustentável, com inclusão e justiça social. Ela destacou que, nos últimos anos, 40 milhões de pessoas pobres ascenderam à classe média e 18 milhões de empregos formais foram criados, com expansão da renda dos trabalhadores.

“Temos mantido matriz energética limpa e nossas fontes renováveis representam 45% da energia que consumimos”, disse, acrescentando que, desde 2003, 75% das áreas de preservação criadas no mundo estão no Brasil. De acordo com a presidente, mais de 80% da cobertura da floresta amazônica está preservada.

Dilma ressaltou ainda que o Brasil é uma potência agrícola que tem ampliado em mais de 180% a área plantada com tecnologias e insumos eficientes. “Sabemos que o desenvolvimento sustentável é a melhor resposta e que isso implica crescimento da economia para distribuir riqueza, criação de empregos formais, ampliação de renda e redistribuição de renda para pôr fim à miséria.”

Na visão de Dilma, é necessário tornar cidades cada vez mais sustentáveis, seguir reduzindo o desmatamento e usando a biodiversidades com segurança, além de proteger rios e florestas.

Continua após a publicidade
Publicidade