Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

CPI do Cachoeira tenta ouvir Cavendish nesta quarta

Ex-diretor da Delta deve ficar calado durante a audiência, depois de o STF ter concedido habeas corpus.

Por Tai Nalon 29 ago 2012, 07h42

Em semana decisiva no Congresso, a CPI do Cachoeira recebe nesta quarta-feira o ex-diretor da Delta, Fernando Cavendish, e o ex-diretor da Dersa Paulo Preto num bloco de audiências que tem a construtora como protagonista. Cavendish deve, contudo, ficar em silêncio durante a audiência, devido a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que concedeu a ele um habeas corpus nesta terça-feira.

Cavendish deixou o comando da construtora em abril deste ano, na esteira dos escândalos envolvendo Cachoeira e o ex-senador Demóstenes Torres. As suspeitas da Polícia Federal são de que a construtora alimentou doações eleitorais repassadas por Cachoeira.

Leia também:

Na CPI, Pagot se faz de vítima e dá sequência a farsa

Em VEJA de 9/5/2012: O fim da farsa de Pagot

Na Rede de Escândalos, corrupção nos Transportes e mais casos que chocaram o país

Delta tentou burlar normas do Banco Central

Cavendish é o principal responsável por ter feito, em dez anos, o faturamento de sua empresa saltar de 67 milhões de reais para 3 bilhões de reais. Conforme levantamento da ONG Contas Abertas, apenas em obras contratadas pelo governo federal, a Delta arrecadou nesse período 4 bilhões de reais. Ao final de 2011, a Delta era a principal fornecedora do programa, com contratos avaliados em mais de 2 bilhões de reais.

Ex-chefe do Dnit, Luiz Antonio Pagot afirmou que Paulo Preto pressionou pela liberação de recursos do órgão para obras do Rodoanel em São Paulo. Parte dos recursos seria usada para abastecer um suposto caixa dois de campanha.

Continua após a publicidade
Publicidade