Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Covid-19: Maioria das capitais tem taxa de ocupação de UTI em até 70%

Das 27 cidades, 16 têm indicador que permite flexibilizar a quarentena; casos mais críticos são os de Porto Alegre, Brasília, Curitiba e Belo Horizonte

Por Mariana Zylberkan Atualizado em 4 ago 2020, 19h25 - Publicado em 4 ago 2020, 19h24

A maioria das capitais brasileiras — 16 de um total de 27 — está com a taxa de ocupação de leitos de UTI em até 70%, percentual considerado o limite para que seja possível adotar a flexibilização da quarentena em meio à pandemia de coronavírus.

Acima disso, há um grande risco de colapso do sistema público de saúde, que ocorre quando a demanda por internações de pacientes em estado grave se aproxima da totalidade de leitos disponíveis. Essa situação ocorre em quatro capitais: Porto Alegre (90%), Brasília (86%), Curitiba (86%) e Belo Horizonte (84%), de acordo com levantamento feito por VEJA com dados das secretarias estaduais de saúde atualizados até segunda-feira 3.

 

Apesar de alguns especialistas defenderam como ideal o percentual de 60% de ocupação, a faixa de 70% é aceita pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como indicativo de que um lugar está apto a deixar gradualmente o isolamento social. No Estado de São Paulo, o indicador de 70%, entre outros parâmetros, é usado pelo governo para determinar se cada município está apto a avançar nas fases de reabertura de atividades não essenciais.

Continua após a publicidade

Atualmente, a capital gaúcha está mais perto de sofrer com um colapso no atendimento público de saúde em razão do aumento exponencial de novos casos registrados há algumas semanas. Esse posto já pertenceu a Manaus, que teve uma das mais altas taxas de mortalidade de Covid-19 no Brasil justamente pela escassez de atendimento médico para pacientes graves. Hoje, a capital do Amazonas é a penúltima no ranking de taxas de ocupação de leitos de UTI no país com 33%, seguida por São Luís (MA), que tem 22% das vagas preenchidas. A combinação de alta recente de casos e índices altos de pacientes internados em estado grave é realidade também em Curitiba e Belo Horizonte, com taxas acima de 80%.

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.