Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Correção: Perícia concluiu que balanço estava podre

Por Da Redação
3 ago 2012, 19h41

Por Chico Siqueira

Araçatuba – A matéria enviada anteriormente contém uma incorreção. O Grande Hotel São Pedro não se pronunciou sobre o caso, o que deve fazer somente quando tiver acesso ao laudo da perícia técnica do Instituto de Criminalística de Piracicaba. Segue matéria corrigida.

Laudo divulgado na manhã desta sexta-feira pelo Instituto de Criminalística (IC) de Piracicaba (SP) informa que estava podre a viga de madeira que sustentava o balanço em que uma menina de quatro anos de idade morreu no dia 23 de julho, no Grande Hotel da cidade de Águas de São Pedro, no interior paulista. A garota morreu atingida pela viga que despencou quando ela usava o balanço do hotel, onde seus pais estavam hospedados.

De acordo com o perito criminal Jefferson Willians de Gaspari, que assinou o laudo, o acidente foi causado por uma ruptura na região em que a viga se encaixava nas duas colunas laterais, também de madeira e que a sustentavam. “Em função de a madeira estar comprometida, degradada, em estado de decomposição, a viga se rompeu e despencou sobre a criança”, disse. Segundo o perito, a decomposição da madeira era tão antiga que a perícia encontrou raízes na madeira. “Essa viga estava há muito tempo sofrendo as intempéries do tempo e por isso estava em decomposição, tanto que encontramos raízes nela, formando um substrato adequado ao desenvolvimento de plantas”, disse.

O perito afirmou que a situação ocorreu porque, muito provavelmente, o brinquedo não passou pelas manutenções previstas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). “Associação prevê que este tipo de brinquedo deve passar por manutenção de técnicos especializados pelo menos duas vezes por ano. Muito possivelmente isso não aconteceu ou se aconteceu, a manutenção foi mal feita”, declarou. Segundo Gaspari, uma manutenção poderia ter evitado a morte da garota. “Com certeza, uma manutenção no brinquedo encontraria o problema e evitaria o acidente”, afirmou.

Continua após a publicidade

Outra irregularidade, segundo o perito, foi encontrada na maneira como a viga era presa às colunas. “As normas técnicas estabelecem que as ligações mecânicas entre peças de madeira sejam presas por dois pinos de metais, para sustentar a vibração do brinquedo. Lá, a viga estava presa com um pino”, disse.

O perito negou que a viga pudesse ter desabado pelo uso inadequado do brinquedo. “Não havia qualquer indicação de uso do brinquedo apenas por criança. Além disso, um eventual uso inadequado por um adulto não foi a causa porque a madeira estava mesmo muito comprometida”, afirmou.

O Grande Hotel São Pedro informou que não obteve conhecimento do laudo da perícia técnica do Instituto de Criminalística de Piracicaba e que se pronunciará apenas quando tiver acesso ao documento oficial.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.