Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Condenado a 200 anos, Beira-Mar enfrenta novo júri

Traficante foi acusado de matar quatro detentos durante a rebelião no presídio de Bangu I, no Rio de Janeiro, em 2002

Por Da Redação 13 Maio 2015, 17h33

O traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, começou a ser julgado na tarde desta quarta-feira, no Fórum do Rio de Janeiro. Ele responde pela morte de quatro presidiários durante uma rebelião no Presídio de Segurança Máxima Bangu I, em 2002.

Previsto para começar às 13h, o julgamento atrasou devido à ausência de uma das testemunhas, posteriormente dispensada pelo advogado do réu, Maurício Neville. A primeira das nove testemunhas a falar foi o traficante Celso Luís Rodrigues, o Celsinho da Vila Vintém, preso há doze anos.

Beira-Mar é condenado a 80 anos por ordenar mortes

‘Só queria dar um couro’, afirma Beira-Mar sobre homicídios

O líder da facção Comando Vermelho responde por ter liderado uma guerra de facções na penitenciária: foi acusado de matar Ernaldo Pinto de Medeiros, o Uê, chefe do grupo rival Terceiro Comando, e outros três detentos. Segundo denúncia do Ministério Público, eles teriam sido assassinados a mando do traficante. As mortes ocorreram dentro da Galeria D do presídio, considerado de segurança máxima, onde estavam dez detentos.

A última vez que Beira-Mar enfrentou o júri foi em 2013, quando acabou condenado a 80 anos de prisão por planejar e ordenar a morte de outros dois homens, em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. No total, o traficante já acumula 200 anos de prisão em sentenças ligadas a outros crimes.

O réu chegou ao Fórum do Rio de Janeiro de helicóptero na manhã desta quarta-feira. A segurança ao redor do local foi reforçada.

(Da Redação)

Continua após a publicidade
Publicidade