Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Conab nega inquérito contra presidente da empresa

Por Venilson Ferreira

Brasília – A assessoria de imprensa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou nota na qual pretende esclarecer “que não existe inquérito contra o presidente da empresa, Evangevaldo Moreira dos Santos, apenas um contra outras pessoas, em cujos autos seu nome aparece”. O Ministério Público Federal de Goiás divulgou ontem que Evangevaldo Moreira foi denunciado por envolvimento em fraudes nos exames da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Goiás (OAB-GO).

Conforme a denúncia, em 2006, quando era presidente da Agência Ambiental de Goiás, Moreira foi flagrado em conversas telefônicas interceptadas com autorização judicial repassando informações sigilosas do concurso da OAB para facilitar a aprovação de João José de Carvalho Filho, seu subordinado. O atual presidente da Conab era, segundo o MPF, amigo dos membros da quadrilha que fraudava a prova.

Os advogados que orientaram o texto divulgado pela Conab questionam o suposto delito imputado a Moreira, argumentando que o então subordinado foi reprovado no exame da OAB, tendo obtido nota “01” na prova que teria sido comprada. A nota também aponta inconsistência no fato de Moreira jamais ter sido chamado pelo MPF-GO para depor ou prestar esclarecimentos sobre os delitos.

A nota da Conab relata que a denúncia registrada pelo MPF sequer foi oferecida. “Trata-se apenas de um inquérito, ainda em apuração (desde 2006), para verificar se houve ou não o delito”. Outro aspecto apontado é que a denúncia cita Moreira como atual presidente da Conab, “diretor o que evidencia uma flagrante conotação política ao evento”.

O ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, não se pronunciou sobre as denúncias apresentadas pelo MPF contra o presidente da Conab, pois aguarda uma conversa para conhecer a versão dos fatos. Segundo fontes, o encontro ainda não ocorreu porque Moreira estava fora de Brasília e hoje passou o dia preparando a defesa. Nos casos anteriores de denúncias, como as que atingiram a Conab, a postura do ministro tem sido a de aguardar primeiro a apuração dos fatos.