Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Com machadinha no ombro, aluno de 15 anos foi caminhando para hospital

A mãe, Sandra Regina Ramos, disse que o filho nasceu de novo. Ele foi submetido a cirurgia e seu quadro é considerado estável

Por Estadão Conteúdo 13 mar 2019, 23h12

Minutos após o massacre na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, o estudante José Vitor Ramos Lemos, de 18 anos, chegou caminhando sozinho no Hospital Santa Maria, a duas quadras do colégio, com uma machadinha cravada na clavícula direita.

Ele foi submetido a cirurgia e seu quadro era considerado estável no início da tarde desta quarta-feira, 13.

José Victor conversou com os pais após o procedimento cirúrgico. Segundo eles, ao ouvir os disparos, o estudante, que estava com a namorada, perdeu-se dela. José Vitor pulou o muro da escola, deu de cara com um dos atiradores e foi atingido pela arma branca no ombro.

“Ele estava com a namorada, saiu para outro lugar, e os dois se desencontraram. Pulou o muro e foi pego de surpresa pelo atirador”, conta o pai Marco Lemos.

A mãe, Sandra Regina Ramos, disse que o filho nasceu de novo. Segundo Sandra, o jovem está traumatizado e ela também. “Ele provavelmente não vai querer mais voltar para a escola. Vamos esperar para ver”, disse. “Ele completou 18 anos agora no dia 6 de março. Falei que a partir do ano que vem teremos duas comemorações porque ele nasceu de novo”.

Continua após a publicidade

No hospital Santa Maria, chegaram sete estudantes feridos, com idades entre 15 e 19 anos.”Depois do José Vitor chegaram os demais, alguns por meios próprios, outros vieram trazidos pela polícia”, conta Débora Nogueira, diretora técnica e coordenadora do pronto-socorro.

“No momento em que ele (José Victor) cogitou terem mais vítimas é que a gente acabou aguardando que pudesse chegar um outro paciente, mas chegaram diversos”. Ao longo do dia, cinco foram transferidos.

‘Mãe, me socorre’

Mãe de Letícia Mello, de 15 anos, uma das vítimas baleadas, a dona de casa Valéria de Mello Oliveira disse que estava em casa quando recebeu mensagens de áudio da filha.

“Ela levou um tiro na lombar, mas está bem, graças a Deus. Foi um desespero. Ela me mandou uma mensagem dizendo ‘Mãe, está tendo um tiroteio aqui na escola, me socorre’. Ela só conseguiu dizer que viu a amiguinha dela caindo. Falou que foi muita confusão e correria”, disse Valéria.

A jovem foi levada para o hospital Santa Maria, onde recebeu os primeiros atendimentos. No começo da tarde desta quarta-feira, Letícia foi transferida para a Santa Casa de Suzano, segundo informações do Santa Maria.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês