Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Com Cappelli, Castro diz que é preciso combater ‘verdadeira máfia’ no Rio

Governador e secretário-executivo do Ministério da Justiça se reuniram nesta sexta-feira, no Palácio Guanabara

Por Lucas Mathias Atualizado em 6 out 2023, 17h38 - Publicado em 6 out 2023, 15h37

O governador Cláudio Castro voltou a se reunir, na manhã desta sexta-feira, 6, com o secretário-executivo do Ministério da Justiça, Ricardo Cappelli, no Palácio Guanabara, sede do governo do Rio. O foco foi a morte dos três médicos em um quiosque na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade. Castro reforçou a necessidade de resolução do caso, com a descoberta do mandante do crime e o esclarecimento das circunstâncias, e, ao se referir à disputa entre milicianos e traficantes na cidade, disse se tratar de “uma verdadeira máfia”. A principal linha de investigação neste momento é de que uma das vítimas, Perseu Ribeiro Almeida, tenha sido confundido com o miliciano Taillon de Alcântara Pereira Barbosa

O novo encontro acontece apenas uma semana depois de outra visita de Cappelli à capital fluminense. O episódio ganhou contornos nacionais, já que uma das vítimas, Diego Ralf Bomfim, 35 anos, era irmão da deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP). A Polícia Civil, que investiga o caso com apoio da Polícia Federal, busca agora confirmar se de fato houve uma confusão na execução do crime, além de prender os responsáveis. Na noite desta quinta-feira, foram encontrados quatro corpos em dois carros na Zona Oeste do Rio, dois deles de suspeitos de terem participado da ação criminosa. 

“É um problema do Brasil e temos que parar de achar que é pontual. Só conseguiremos ter sucesso no combate à criminalidade se for um combate de todos: estados, governo federal e prefeituras. Não estamos falando mais de uma briga de milicianos e traficantes. Estamos falando de uma verdadeira máfia, uma máfia que tem entrado nas instituições, nos poderes, nos comércios, nos serviços e no sistema financeiro nacional”, disse Castro. 

View this post on Instagram

A post shared by Governo do Rio de Janeiro (@govrj)

Continua após a publicidade

Ainda segundo o governador, as investigações seguem e serão ampliadas, de modo a combater o que ele chamou de “máfias”, mesmo após os corpos encontrados. “O que nos parece é que até eles se indignaram com a ação dos seus próprios e eles fizeram essa punição interna. Temos que achar, inclusive, quem cometeu esse segundo assassinato. O estado não se abala. É óbvio que eles já sabiam quem tinha sido, foram à frente e puniram eles. Tem que ver se foram todos, se tinha mais gente envolvida, a investigação não muda em nada”, disse. 

Cappelli, por sua vez, voltou a falar da importância de uma cooperação entre estado e governo federal. Conforme mostrou VEJA, o tema é motivo de tensão entre o governador do Rio e o ministro da Justiça, Flávio Dino. No início da semana, eles já haviam anunciado o reforço não só de inteligência, mas com agentes da Força Nacional para ações no combate ao crime no Rio, com foco no Complexo da Maré. A chegada da corporação ao Rio, no entanto, foi suspensa a pedido do Ministério Público Federal na quarta-feira. 

“Viemos para o Rio por determinação do presidente Lula para apoiar o governo do Rio no enfrentamento desse crime inaceitável que ameaça a vida, destrói a economia e afronta o estado democrático de direito (…) Vamos seguir apoiando com a PF, com a PRF, com nosso grupo de inteligência. Nós apenas adiamos o envio da Força Nacional pelos questionamentos do Ministério Público Federal. Estamos em busca de efetividade. O adversário está do outro lado: o crime organizado que tenta tomar todo o país”, disse Cappelli, citando o pedido de uma reunião para “esclarecer” os pontos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.