Clique e assine com 88% de desconto

Coligação de Serra busca ‘efeito Tiririca’ na Câmara

Por Da Redação - 17 jul 2012, 15h07

Por Guilherme Waltenberg

São Paulo – Em busca de eleger o maior número de vereadores para a base de sustentação de uma eventual administração José Serra, a coligação “Avança, São Paulo”, encabeçada pelo tucano, já montou uma estratégia para tentar compor uma grande bancada na Câmara de Vereadores de São Paulo. A estratégia tem como um dos principais eixos os chamados “puxadores de votos”, personalidades políticas já conhecidas do eleitorado e as celebridades com bom trânsito entre a população, na mesma linha utilizada pelo PR nas eleições gerais de 2010, quando lançou o palhaço Tiririca a deputado federal, transformando-o em um fenômeno das urnas, com 1,350 milhão de votos. Nestas eleições, o partido de Tiririca é um dos que compõem o leque de alianças de Serra.

Segundo informações obtidas com exclusividade pela Agência Estado, dentre os candidatos do PSDB tidos como promessa para as urnas estão o ex-secretário estadual da Cultura Andrea Matarazzo, o filho do ex-governador Mario Covas, Zuzinha, e os atuais vereadores Floriano Pesaro e Adolfo Quintas, todos com boa expectativa de votos.

Nos outros partidos da coligação, PSD, DEM e PR, alguns dos nomes cotados para atrair votos são o atual vereador Antônio Goulart (PSD), que teve cerca de 90 mil votos no último pleito (são necessários perto de 30 mil para se eleger), Milton Leite (DEM), que registrou 80 mil, e Antônio Carlos Rodrigues (PR), que teve pouco mais de 40 mil votos. O ex-judoca e atleta olímpico Aurélio Miguel (PR), atualmente vereador, também teve boa votação na última eleição, com cerca de 50 mil votos, e pretende repetir a performance.

Publicidade

Há também as apostas em nomes populares para chamar votos, em busca de efeito semelhante ao ocorrido com Tiririca. O PSD irá lançar o ex-BBB Serginho para atrair o público de lésbicas, gays, bissexuais e transexuais (LGBT). Serginho, após sair do reality show, participou de desfiles de carnaval e da parada do orgulho gay. Outra aposta do partido é no cantor Kiko, que fazia parte da banda KLB. Ele já foi candidato a deputado federal pelo DEM em 2010, mas não se elegeu.

No ninho tucano, essa mesma orientação levou ao lançamento da candidatura do ator e modelo Marcos Flávio de Oliveira, que ficou conhecido como Oliver, interpretando o quadro Teste de Fidelidade, no Programa de João Kleber.

Coligação

A coligação proporcional, o chamado “chapão” que envolve o PSDB, PSD, DEM e PR, irá lançar 110 candidatos a vereador, limite máximo imposto pela lei eleitoral. Dono do maior tempo de propaganda gratuita no rádio e televisão, os tucanos terão 38 nomes concorrendo neste pleito. A ideia nos bastidores era lançar 45, mesmo número da legenda. As negociações com o PSD, que não aceitava lançar apenas 30 candidatos (número necessário para que o PSDB tivesse os 45), no entanto, não progrediram. O PSD conseguiu então 37 candidatos. O PR terá 21 candidatos e o DEM, 14. O PV integra a coligação de Serra, mas fez um acordo majoritário, que não envolve os candidatos a vereador.

Publicidade

Famosos

Além da coligação de José Serra, outros partidos também estão investindo na estratégia de lançar nomes já conhecidos pelo público para tentar ganhar representação na Câmara Municipal. É o caso do PTdoB, com a modelo e dançarina Suellem Aline Mendes, a Mulher Pêra. Ela tentou a Câmara dos Deputados em 2010, mas não se elegeu. No PDT, o ex-jogador corintiano Dinei também irá para a disputa. O partido, inclusive, terá o médico da equipe paulistana, Joaquim Grava, como vice do candidato à Prefeitura, Paulinho da Força. Já o PTB escolheu lançar o ex-apresentador de televisão João Kleber para concorrer a uma vaga no legislativo municipal.

Publicidade