Clique e assine a partir de 9,90/mês

Ciro: Brasil não merece segundo turno entre Bolsonaro e PT

Em ato de campanha com mulheres, o candidato disse que é preciso quebrar a "polarização odienta" entre um "fascista" e o partido de Haddad

Por Estadão Conteúdo - Atualizado em 16 set 2018, 18h23 - Publicado em 16 set 2018, 14h45

O candidato à presidência pelo PDT, Ciro Gomes, criticou em ato de campanha neste domingo em São Paulo o PT e seu candidato, Fernando Haddad, e afirmou que o brasileiro não quer e não merece ter de optar no segundo turno entre um “fascista”, se referindo a Jair Bolsonaro (PSL), e “as enormes contradições do PT”.

Ciro afirmou que o PT não pensa no Brasil há anos e só quer se perpetuar no poder. Por isso, fez alianças com o deputado Eduardo Cunha e os senadores Eunício Oliveira e Renan Calheiros, todos do MDB. ” O PT está fazendo isso de novo, não aprendeu nada.”

Ao ser questionado sobre as razões de seu irmão, Cid Gomes, estar apoiando Eunício no Ceará, Ciro disse que a pergunta teria de ser feita para seu irmão. “Eu sou contra o Eunício Oliveira e ele vota no Haddad.”

“Quero unir o Brasil que produz e trabalha”, disse Ciro, falando que sua candidatura é uma alternativa à “polarização odienta” que tomou conta do país.

Ciro participou hoje da “Caminhada pela Paz”, evento realizado no parque do Ibiraquera em São Paulo e que reuniu mulheres eleitoras do ex-ministro, todas carregando uma rosa e vestindo branco.

Sobre o crescimento de Haddad nas pesquisas, Ciro afirmou que eleição tem essas reviravoltas e é preciso ter calma. Até a reta final, ainda haverá muitos momentos de emoção e viradas, disse ele. “Mas acredito em final feliz.”

Em rápido discurso no evento, Ciro disse que o eleitor não deve se guiar por pesquisas de intenção de voto e se pautar pela responsabilidade.

Continua após a publicidade
Publicidade