Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Cingapura vai ganhar 20 drenos para extração de metano

Plano da Sehab deve ser concluído em 85 dias e precisa ser aprovado pela promotoria ambiental. Risco de explosão é considerado mínimo

Por André Vargas - 6 out 2011, 21h09

A promotora Claudia Letícia Fedeli exigiu que as medições emergenciais para a verificação da presença de gás nos 140 apartamentos térreos passassem a ser diárias

Com o subsolo contaminado por metano, o terreno onde foi erguido o conjunto habitacional Cingapura da avenida Zaki Narchi, na Zona Norte de São Paulo, receberá vinte drenos para a extração do gás. A instalação, em caráter emergencial, é a principal medida apresentada pela prefeitura e pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) para eliminar o risco de explosão. Sem cheiro, o metano é um gás formado pela decomposição de matéria orgânica e, quando em local fechado, pode explodir em contato com faíscas ou chamas.

A promotora ambiental Claudia Letícia Fedeli havia dado um prazo de 24 horas para a Secretaria Municipal de Habitação (Sehab) apresentar uma alternativa viável para a solução do problema. Caso contrário, analisaria a possibilidade de remoção dos sete mil moradores dos 35 blocos de apartamentos. O plano da Sehab prevê que os dutos estejam em operação em 85 dias.

Claudia Letícia recebeu o plano e o cronograma no fim da tarde desta quinta-feira. De acordo com a assessoria do Ministério Público, nesta sexta-feira, a promotora vai dizer se concorda com as medidas propostas.

Publicidade

Nesta quarta-feira, a promotora exigiu que as medições emergenciais para a verificação da presença de gás nos 140 apartamentos térreos passassem a ser diárias – antes eram a cada três dias. O temor é que o gás se concentre em algum cômodo fechado. Outras medidas são um plano de retirada dos moradores, uma campanha de esclarecimento e a vedação de rachaduras nas lajes térreas.

Center Norte – Durante a desinterdição do Shopping Center Norte, na tarde desta quinta-feira, Bruno Covas, secretário estadual de Meio Ambiente, afirmou que o risco de explosão no Cingapura é pequeno. Covas lembrou que o terreno onde está localizado o conjunto popular não está inteiramente coberto por pavimentação, o que permite que o metano se dissipe naturalmente na atmosfera. Outro fator que reduz o risco é a localização do Cingapura, que fica nas bordas do lixão. O Center Norte está praticamente no centro do aterro.

LEIA TAMBÉM

Center Norte reabre nesta sexta-feira

Publicidade