Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Chuvas já deixam mais de 33 mil desalojados no Sudeste

Rio de Janeiro tem maior número de atingidos pelos temporais. Transbordamento de rios na região noroeste do estado preocupa Defesa Civil

Desde outubro, as fortes chuvas obrigaram mais de 33.000 pessoas a deixarem suas casas e irem para abrigos na região Sudeste, mostra levantamento do site de VEJA feito com base em dados da Defesa Civil. O número tende a aumentar, especialmente no estado do Rio de Janeiro, onde novos episódios acontecem a toda hora. O número de desabrigados, aqueles que tiveram suas casas destruídas pelas chuvas, ultrapassa 1.300 no Sudeste. Treze pessoas morreram. Leia também: Sérgio Cabral apela para a ajuda divina Fernando Bezerra diz que Dilma sabia de repasses para PE

E o mau tempo deve continuar na região. A Secretaria Nacional de Defesa Civil alerta para chuva forte nesta quarta no centro-sul, leste e norte de Minas Gerais, no Espírito Santo e em áreas serranas e norte do Rio de Janeiro. Os temporais devem afetar o Sudeste até sexta-feira. O Rio de Janeiro é o estado com maior número de pessoas afetadas pelas chuvas. As cheias dos rios que nascem em Minas Gerais e adentram na parte noroeste do estado já deixaram mais de 22.800 desalojados, de acordo com o último boletim, divulgado no fim da tarde desta quarta-feira. Há cidades inteiras embaixo d’água. O secretário estadual de Defesa Civil e comandante do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, Sérgio Simões, visitou a região e acredita que o mecanismo de alerta que o estado implantou nas zonas de risco foi decisivo para evitar mortes. Os municípios Santo Antônio de Pádua, Itaperuna, Laje do Muriaé, Aperibé, Italva, Cardoso Moreira, Cambuci e Campos decretaram estado de emergência. No estado do Rio de Janeiro foram registradas três mortes, duas por infarto e uma por queda dentro da residência, desde o início da temporada de chuvas. Até terça-feira, a Defesa Civil fluminense registrou 367 deslizamentos de terra, 41 inundações, três desabamentos e 21 enxurradas. Mas, com os novos acontecimentos desde o final de tarde de ontem, com chuvas e as cheias na região noroeste, a corporação ainda não consolidou novos números. Em São Paulo a chuva deixou nove feridos, dois mortos, 116 desabrigados e 264 desalojados. São treze os municípios em estado de atenção – Francisco Morato, Guarujá, Atibaia, Indaiatuba, Vinhedo, Valinhos, Cabreúva e Itupeva. Outros municípios estão em observação. No Espírito Santo, há 21 municípios afetados e dois em situação de emergência: Ibatiba e Domingos Martins. São 173 desabrigados, 1.019 desalojados, 11.850 pessoas afetadas, doze feridos e 562 casas ou prédios danificados ou destruídos. Em Minas Gerais a população ainda deve ficar alerta para o risco de alagamentos, quedas de árvores e deslizamentos de encostas. São 53 municípios em situação de emergência e outros 56 afetados gravemente. Até o momento, 9.365 pessoas estão desalojadas, 404 desabrigadas, uma desaparecida, 32 feridas e oito mortas. Em relação aos danos materiais, 2.420 casas foram danificadas, 84 destruídas e 146 pontes, destruídas ou danificadas.