Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Chuvas devem voltar ao Sudeste após 15 de outubro

Precipitações não garantem a elevação no nível do Cantareira devido ao 'efeito esponja' do solo erodido; dezembro deve registrar temperatura acima da média

Por Da Redação 30 set 2014, 11h23

Após nove meses consecutivos com as vazões afluentes mais baixas da história, o Sistema Cantareira deve receber um alívio no mês que vem. O Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) afirma que não há nenhum elemento que impeça o início da estação chuvosa no Sudeste, onde ficam os rios e represas que formam o maior manancial paulista, e prevê a volta das chuvas com mais frequência na região a partir da segunda quinzena de outubro.

“Nós estamos com todos os indícios de que o padrão da estação seca deve quebrar-se nas próximas semanas. Então, possivelmente as chuvas devem começar a ocorrer com mais frequência a partir da segunda quinzena de outubro. Agora, se vai chover mais ou se vai chover menos (do que a média) é outra questão, difícil de dizer, porque a previsibilidade de três meses para a Região Sudeste é muito baixa”, explicou Gilvan Sampaio, pesquisador do Inpe, durante a reunião climática do instituto feita no dia 26.

Saiba mais:

Em oito questões, entenda a crise da água em São Paulo

O governo Geraldo Alckmin (PSDB) espera o retorno das chuvas para não ser obrigado a decretar racionamento oficial de água na Grande São Paulo, onde cerca de 6,5 milhões de pessoas ainda são abastecidas pelo Cantareira. Nesta terça-feira, o sistema entrou na casa dos 6,9% da capacidade, operando exclusivamente com água do volume morto, a reserva emergencial dos reservatórios.

Segundo Sampaio, a formação de nuvens na Região Norte e os ventos que têm soprado em direção ao Sul nos últimos dez dias indicam um comportamento padrão do transporte de umidade da Amazônia que provoca chuva no Centro-Sul na primavera. “Não dá para dizer a partir de quando. Pode ser no dia 15 como pode ser no último dia de outubro”, explica o pesquisador. No Sudeste, o período chuvoso vai de outubro a março.

Continua após a publicidade

Leia também:

Reserva do Cantareira acaba em 57 dias, diz secretário

Corte de água atinge ruas dos Jardins; Sabesp nega

Seca dificulta captação de volume morto do Cantareira

Previsão – Contudo, entre esta quarta-feira e o próximo dia 10 não há previsão de chuva no Cantareira, segundo o CPTEC. O retorno das precipitações a partir da segunda quinzena também não garante que o nível das represas voltará a subir, por causa do “efeito esponja” provocado pelo solo erodido nas áreas secas das represas. Outro dado negativo para quem busca economia de água no manancial é que as temperaturas até dezembro devem ficar acima da média no Sudeste.

Segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), a falta de chuva e o calor intenso foram responsáveis pela crise no Cantareira.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)