Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Caso Amarildo: major Edson operou para evitar confissão de acusados

Inquérito da Divisão de Homicídios revela que oficial monitorou a investigação para evitar a delação premiada por parte de um dos suspeitos e chegou a indicar e transportar advogados para acompanhar testemunhas

Em um crime de homicídio sem corpo, a confissão de um dos autores é demolidora para a defesa. Quando há muitos acusados, multiplica-se a chance de um deles quebrar o silêncio e revelar à polícia ou à Justiça tudo o que sabe – obtendo, assim, alguma redução de pena. Justamente por conhecer esse mecanismo, e por saber do grande número de envolvidos no desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza, o major Edson dos Santos, principal acusado do crime, operou para evitar que suspeitos e testemunhas revelassem o que sabem à Divisão de Homicídios (DH) da Polícia Civil. Os investigadores que atuam no caso descobriram que o major monitorou cada passo das testemunhas, indicou advogados para coordenar versões compatíveis em depoimentos de suspeitos e testemunhas e atuou para evitar que os demais envolvidos aceitassem o mecanismo de delação premiada.

O esquema montado é digno de um sistema de contrainformação de espionagem. Após a saída de Edson da UPP da Rocinha, os acusados mantiveram, segundo a Polícia Civil, um homem de confiança naquela unidade. Coube ao tenente Medeiros – indicado por influência do major – manter os advogados e os suspeitos informados a respeito dos rumos da investigação. Uma ligação telefônica interceptada em 10 de setembro mostra como o grupo monitorou a investigação e como temia que um dos suspeitos confessasse. Alertados por policiais da UPP, o advogado do major, identificado como “Dr. Lázaro” no inquérito, diz o seguinte a seu cliente: “Agora as testemunhas não podem vir sem advogado mesmo, pois os policiais já estão na fase final e tentando uma delação premiada”.

Leia também:

Caso Amarildo: Mais 20 PMs são investigados pela Polícia Civil

Entenda a trama de suborno e mentiras que embaralhou o caso Amarildo

Para os investigadores, vale a lógica de que “quem não deve não teme”. Ou seja, o major e seu representante legal tentaram evitar que detalhes do caso – e possivelmente da captura e da morte de Amarildo – fossem incluídos no inquérito. Como mostrou reportagem do site de VEJA, uma mulher, testemunha do caso, recebeu dinheiro dos acusados e foi monitorada pelos PMs envolvidos.

O inquérito da DH revela que Edson monitorou cada depoimento, e chegou a usar viaturas da PM para buscar testemunhas. Em um trecho do relatório, há a seguinte afirmação dos investigadores: “Causou perplexidade, contudo, a excessiva preocupação do major Edson em fazer com que todo policial militar que viesse a depor estivesse acompanhado por advogado. O oficial chega a oferecer uma viatura policial para buscar o causídico (advogado) no centro da cidade do Rio de Janeiro”.

Diz o inquérito: “O que tanto o major Edson quer esconder, a ponto de pagar advogado com seus próprios recursos? A resposta está clara: A ação criminosa perpetrada contra Amarildo.”

Em outro trecho do documento, está exposta a dedicação ao principal acusado para que ninguém ficasse sem um advogado controlado pelo grupo. Ao saber que uma testemunha não tinha representante legal, o major Edson afirma, em uma ligação telefônica, que ele próprio pagaria os honorários de um criminalista. Neste trecho, o oficial diz o seguinte: “Vão pressioná-la, e ela pode dizer que ‘ouviu dizer’, e isso é uma m…”. A mulher era uma policial militar da UPP da Rocinha.

O caso Amarildo, até o momento, não tem corpo nem confissão. Os investigadores sabem que os acusados estão confiantes em relação à inexistência dos restos mortais – o que, apesar de não impedir a condenação, obriga a polícia e o Ministério Público a reunirem provas a mais, para convencer os jurados. Os investigadores pretendem buscar confissões a partir de lacunas nos depoimentos.

Uma das estranhas coincidências nos depoimentos de testemunhas e acusados é a omissão da incursão do Bope na Rocinha na noite do desaparecimento de Amarildo, em 14 de julho, como mostrou reportagem do site de VEJA. Viaturas da tropa de elite foram à favela no intervalo de horas em que o pedreiro, segundo o inquérito, esteve em poder de seus algozes. A Divisão de Homicídios obteve imagens de câmeras de segurança que mostram os carros do Bope na favela, o que obriga grande parte dos acusados a, agora, explicar a ausência desse detalhe.

Ocultação de cadáver – Além dos dez presos, há outros vinte PMs da UPP da Rocinha sendo investigados. O grupo, que já prestou depoimento, pode apresentar detalhes sobre o transporte de Amarildo e, acreditam os investigadores, também do que foi feito com o corpo do pedreiro. Na tarde de terça-feira, policiais civis realizaram buscas nas casas de parte desses policiais. Alguns deles serão novamente intimados a prestar depoimento para explicar contradições.

LEIA TAMBÉM:

Polícia aposta em delação premiada para obter confissão de policiais acusados de matar Amarildo

Polícia ocupa favelas do Lins para criar mais uma UPP

Justiça decreta prisão de PMs acusados de matar Amarildo