Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Cardozo e Alckmin vão discutir maioridade penal nesta terça

Contra a redução, governador de São Paulo defende projeto de lei que torna mais rigorosa punição para adolescentes que cometerem crime hediondo

Por Da Redação 9 jun 2015, 08h58

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, deve se encontrar nesta terça-feira com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), para conversar sobre uma ideia alternativa à redução da maioridade penal, que tem o apoio do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

O tucano tem se manifestado contra a redução e trabalhado pela aprovação no Congresso de um projeto de lei apresentado em 2013 pela bancada tucana de deputados que modifica o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e torna mais rigorosa a punição de adolescentes que cometem crimes hediondos. Na semana passada, em dobradinha com Alckmin, o senador José Serra (PSDB-SP) apresentou uma proposta semelhante, já que a da Câmara tramita com dificuldades.

Cardozo foi escalado pelo Palácio do Planalto para formar uma frente suprapartidária, incluindo o PSDB, para evitar que a proposta passe pela Câmara. Nesta segunda-feira, ele afirmou que reduzir a maioridade penal seria uma medida “catastrófica” e que por isso o governo estava aberto ao diálogo com “a oposição e com a sociedade civil”. Ele evitou se comprometer com a proposta de Alckmin, mas outros dois ministros elogiaram na segunda a ideia adotada pelo tucano.

O ministro-chefe da Secretaria de Direitos Humanos, Pepe Vargas, disse que a posição de Alckmin “merece profundo respeito” e afirmou que, no Congresso, “tem crescido” o número de parlamentares que já admitem estabelecer um tempo de internação maior em centros socioeducativos para adolescentes que cometam crimes graves – tal como proposto pelo governador tucano.

O ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, também disse que o governo estava disposto a procurar Alckmin para “dialogar” sobre o assunto. Edinho garantiu que em um “curto espaço de tempo” o governo vai apresentar uma proposta alternativa que “combata o ambiente de impunidade”. Ele também defendeu penas mais severas para adultos que cooptem menores para a prática de crimes como parte das discussões para a construção de “uma alternativa que se contrapõe à redução da maioridade penal de forma simples”.

Continua após a publicidade

A ideia defendida por Alckmin vai de encontro com a bandeira levantada pelo PSDB durante a campanha eleitoral do ano passado, quando o então candidato à Presidência, Aécio Neves, defendeu publicamente a questão. De olho em 2018, o governador paulista tem adotado uma agenda nacional e vê nesse tema uma oportunidade de adotar um tom mais moderado que o de Aécio, candidato natural do partido nas próximas eleições presidenciais.

Leia também:

‘Redução da maioridade traduz negligência do estado’

Maioridade penal: o debate a toque de caixa na Câmara

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)