Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Carcereiros iniciam greve nos presídios de São Paulo

Mortes de agentes do sistema penitenciário antecipam paralisação programada para segunda-feira – sindicato diz que PCC é o mandante

Por Da Redação 19 jul 2015, 19h35

O clima de tensão no sistema prisional paulista levou os agentes penitenciários a antecipar a greve da categoria, paralisando neste domingo nove unidades prisionais de São Paulo.Os agentes de sete unidades do complexo Campinas-Hortolândia, do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Americana e da penitenciária de Valparaíso paralisaram as atividades e, com exceção de Valparaíso, não autorizaram a entrada de familiares para visitar os presos no sábado e domingo. Em Valparaíso, os presos ficaram dois dias sem tomar banho de sol.

A antecipação da greve – que já estava marcada para ter início nesta segunda-feira – ocorre por causa do assassinato do agente Rodrigo Ballera Miguel Lopes, de 33 anos, do CDP de Campinas, morto a tiros na quinta-feira, e do espancamento de outros quatro agentes – um no CDP-4 de Pinheiros e outros três na penitenciária de São José dos Campos. O assassinato é o oitavo de agentes penitenciários este ano no Estado. De acordo com os líderes sindicais, os crimes são praticados por determinação do Primeiro Comando da Capital (PCC), facção que domina os presídios paulistas.

Leia também:

‘Escolas do crime’: quase todos os centros de internação de menores têm problemas

Neste sábado, o carcereiro Ademir Cândido de Oliveira, de 59 anos, foi rendido e executado ao lado da mulher e uma amiga do casal em Parelheiros, no extremo sul da capital paulista. Segundo a polícia, o ex-marido da companheira da vítima, um homem de 42 anos, é um dos suspeitos em ser o mandante do crime. A mulher de Oliveira afirmou que os dois já haviam se desentendido, mas o ex-companheiro negou participação no crime.

Continua após a publicidade

O carcereiro, a mulher e a amiga tinham ido até a Estrada do Itaim, local onde, de acordo com a Polícia Civil, frequentavam para fazer orações. As testemunhas disseram que, ao descerem do carro, dois homens surgiram de um matagal, renderam o carcereiro e efetuaram os disparos. Não houve chance de Oliveira reagir, já que o revólver calibre 38 ficou dentro do automóvel dele. Os celulares da vítima, da mulher e do ex-marido foram apreendidos. O caso será registrado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

De acordo com o presidente do Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de São Paulo (Sindasp), Daniel Grandolfo, a partir desta segunda-feira apenas os serviços de emergência médica e de alimentação dos presos serão mantidos. “Estão suspensas as entregas de jumbo (alimentos e outros pertences levados pelos parentes) e de Sedex e também a transferência de detentos, entre outros serviços”, afirmou.

Segundo Grandolfo, ao contrário da greve programada, a paralisação do fim de semana não teve qualquer interferência do sindicato. “Esta antecipação é um exemplo de como anda o clima dentro dos presídios. Estávamos marcados para iniciar a greve no dia 20, e o sindicato cumpriu todas as obrigações da lei com assembleias e tudo, mas os agentes estão revoltados com a insegurança”, explicou.

Os agentes reivindicam que o governo cumpra os acordos feitos com a categoria na greve do ano passado, como o pagamento de bônus salarial, que não foi feito, e a retirada de processos disciplinares administrativos contra 32 grevistas. Além disso, eles reivindicam a reposição da perda inflacionária, em torno de 7%, e maior segurança no trabalho, como o chamado acautelamento que é a autorização para uso de coletes à prova de bala e armas fora do horário do trabalho.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade