Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Candidatos a vereador pedem voto para prefeito

Por Irene Ruberti
21 ago 2008, 14h04

Por André Pontes

Os pedidos de votos para candidatos que disputam a prefeitura de São Paulo marcaram o segundo dia de horário eleitoral gratuito para os vereadores. Muitos partidos deixaram de lado as propostas, falando apenas o nome, número do candidato a vereador e declarando apoio ao postulante a prefeito pelo partido.

O PSDB manteve o mesmo estilo de terça-feira, primeiro dia de horário eleitoral, com os candidatos falando uma frase rápida com seus projetos, nome, número e uma vinheta pedindo voto para Geraldo Alckmin. Na quarta-feira, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o governador do estado de São Paulo, José Serra, foram à televisão mostrar apoio ao candidato tucano à prefeitura de São Paulo.

No PT, Marta Suplicy não apareceu no horário eleitoral desta quinta-feira, mas um jingle de sua campanha ficou tocando em todo o programa de rádio do partido, como tinha ocorrido no primeiro dia de propaganda. O Partido dos Trabalhadores encerrou seu horário pedindo “um olhar feminino em defesa da cidade, respeitando o voto do eleitor”. Ao contrário do que aconteceu na quarta-feira, quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu votos para Marta Suplicy.

No programa do PP, os candidatos a vereador enfatizaram bastante a Freeway, carro chefe da campanha de Paulo Maluf à prefeitura de São Paulo. No horário do DEM, os candidatos apresentaram rapidamente seus projetos e em seguida pediram votos para Gilberto Kassab. A coligação DEM, PMDB e PR voltou a defender a construção de mais CEUs (Centro Educacional Unificado), projeto que teve início na administração de Marta Suplicy, do PT.

Continua após a publicidade

O PSOL afirmou que a eleição para vereador é importante, “pois cabe a ele fiscalizar o prefeito da cidade”. O PCO disse que quer implantar o socialismo na cidade. O PDT mais uma vez contou com a apresentação do deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical. Paulinho da Força é acusado por envolvimento num suposto esquema de fraude no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Pelo PTC, a candidata Havanir Nimtz pediu votos dizendo ser “fiel escudeira e discípula do falecido deputado Enéas Carneiro”. No programa do PPS, os candidatos também se “esqueceram” de apresentar projetos e se preocuparam em dizer que São Paulo tem que mudar e que “é Soninha para prefeita”. Pelo PTB, o humorista e candidato a vereador, Sérgio Malandro, pediu “seriedade” na política brasileira e apresentou projetos educacionais.

Por fim, a drag queen Léo Áquila afirmou que vai “ensinar na escola qual a diferença entre ser homem e macho. Eu não sou macho, mas homem eu sou”, disse Léo Áquila.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.