Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Candidato a vereador troca cestas básicas por votos na Rocinha

Ministério Público pediu a impugnação da candidatura de 'Leo Comunidade', do PTN, que é acusado de ter ligações com o traficante Nem. Partido é investigado por venda de apoio ao PMDB

Por Da Redação 3 out 2012, 20h33

Um candidato a vereador do PTN, no Rio de Janeiro, está sendo investigado por suspeita de ligação com tráfico de drogas e troca de cestas básicas por votos. Reportagem exibida pelo Jornal Nacional, da Rede Globo, nesta quarta-feira, mostra que Leonardo Rodrigues Lima estaria prometendo alimentos a moradores da favela da Rocinha, a maior do país. Para ganhar o benefício, moradores participam de reuniões semanais promovidas pela campanha de Léo Comunidade, como é conhecido.

O partido é o mesmo que, em um vídeo revelado pelo site de VEJA, negocia por 1 milhão de reais o apoio à candidatura de Eduardo Paes à reeleição.

Para participar dos encontros na Rocinha, moradores estariam sendo obrigados a apresentar o título de eleitor. Um carimbo confirma a participação e garante a entrega da cesta básica no fim do mês. O esquema foi revelado por um vídeo gravado pela produção do JN. Em conversa com moradores e grampeada pela polícia, Leo admite a suspeita: “Eles queriam que tirasse a cesta de vocês. Eles queriam que eu não desse a cesta. Falei para eles o contrário: quando eu ganhar, vou é aumentar a cesta.”

Tráfico – De acordo com o promotor de Justiça Paulo Roberto Mello Cunha, a candidatura de Leo – que teria ligações com o traficante Nem, preso no ano passado ao tentar fugir da Rocinha – “representa um braço do tráfico tentando se infiltrar no poder oficial, a exemplo do que as milícias já estão fazendo”.

O candidato nega todas as acusações, mas em seu vídeo de campanha, sua imagem é ligada a Nem e outros traficantes que controlavam a Rocinha. Precedido pelo som de tiros, o verso de um funk canta: “Tá tudo monitorado”. Confira abaixo:

https://youtube.com/watch?v=0g6_KGHKtk0

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM:

Ação contra crimes eleitorais no Rio terá 50 mil homens

Milícia volta a ameaçar processo eleitoral no Rio de Janeiro

MP Eleitoral recolhe propaganda irregular e distribui cartilha contra compra de votos

Continua após a publicidade
Publicidade