Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Campos e Marina mantiveram ‘agenda secreta’

Governador de Pernambuco e ex-senadora trabalharão pelo fim da reeleição

Por Malu Gaspar, do Rio 5 out 2013, 15h31

A aliança entre Marina Silva e Eduardo Campos começou a ser construída discretamente no início do ano, quando a ex-ministra do Meio Ambiente de Lula anunciou a intenção de montar a Rede Sustentabilidade para concorrer à Presidência no próximo ano. Enquanto os críticos diziam que a iniciativa tinha um quê de messiânica, Campos decidiu apoiar a criação do novo partido. Por uma razão bastante pragmática: quanto mais candidatos houvesse à Presidência, maior a chance de um segundo turno.

O governador de Pernambuco fez chegar a mensagem a Marina e, para provar que não estava blefando, recomendou a correligionários que colhessem assinaturas para a criação do novo partido e assinou ele mesmo o documento. Ao longo dos últimos meses, os dois pré-candidatos mantiveram uma agenda secreta de encontros em Brasília e em São Paulo, em que discutiam o cenário eleitoral e “flertavam” um com o outro.

Encontros e telefonemas ficaram mais constantes à medida que a ameaça de veto à formação da Rede se tornou mais concreta. Quase foram atropelados pelo senador tucano Aécio Neves, que ensaiou um convite para Marina nas últimas semanas, sem encontrar muita receptividade. Segundo um interlocutor de Campos, Marina vê na plataforma do PSB mais convergência com os princípios da Rede. Mesmo assim, foi necessário chegar a um acordo em torno de uma série de compromissos para que fosse selado o namoro.

Decidiu-se, na reunião que terminou às 2h de hoje, no hotel Meliá, em Brasília, que os dois trabalharão pelo fim da reeleição, que consideram um entrave para a tomada de medidas impopulares no primeiro mandato. Campos se comprometeu a dar visibilidade às propostas ambientais de Marina, e a candidata verde aceitou a hipótese de se tornar sua vice na chapa para a Presidência, se o cenário for propício. São esses os princípios da dobradinha que se forma hoje, modificando todo o cenário eleitoral.

Continua após a publicidade

Publicidade