Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Caminhada em Santa Maria lembra vítimas da tragédia

Culto ecumênico marcou início da concentração no centro da cidade para homenagear os 231 jovens mortos no incêndio da boate Kiss, no domingo

Mais de 40 horas depois de passar pela maior tragédia de sua história – que deixou 231 mortos -, Santa Maria ainda reage com demonstrações de solidariedade. Enquanto aguardava o início de uma caminhada em homenagem às vítimas pelo centro, um grupo de jovens distribuía água e refrigerantes doados pela população, gesto comum por toda a cidade gaúcha entre os que tentam contribuir de alguma forma para amenizar o sofrimento alheio.

Um dos voluntários resumiu o sentimento que motivava ele e os amigos, e minimizou a importância da ajuda. “Ninguém ficou sem fazer nada, e eu estou fazendo a minha parte”, disse o desenhista industrial de 30 anos, que prefetiu não se identificar. “Sou como todo mundo.”

Infográfico: Como começou a tragédia em Santa Maria

Em outro grupo de estudantes, uma jovem em particular chamava a atenção pela quantidade de balões brancos que carregava. Universitária da Federal de Santa Maria, ela contava aos amigos que havia conseguido escapar da boate Kiss logo após o incêndio. “Fui dormir sabendo que havia seis mortos. Quando acordei, já eram mais de cem”, contou a menina, que preferiu poupar os pais do acontecido na casa noturna que frequentava assiduamente.

Galeria: Conheça as vítimas do incêndio na boate Kiss

Do outro lado da Praça Saldanha Marinho – onde a mobilização começou às 18 horas, com um culto ecumênico -, Rita Isabel Franco, distribuía 50 faixas de tecido preto, que ela mesma confeccionou, para que os integrantes da caminhada colocassem no braço, em sinal de luto. Ali, estavam reunidos sobreviventes, familiares e muitos que não tinham qualquer relação direta com a tragédia, e só queriam fortalecer os fragilizados.

Leia também:

Justiça bloqueia bens dos donos da boate Kiss

‘Que bom que tu tá vivo! Já contei 15 amigos que perdi hoje’

‘Ouvi uma menina gritar fogo e corri’, conta sobrevivente de incêndio

Fotógrafa da boate Kiss relata o pânico no momento das chamas