Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bruno diz que Eliza “está viva em São Paulo”

Jogador e seu funcionário Macarrão, principais acusados pelo crime, deixam fórum de Esmeraldas, em Minas, dando declarações polêmicas sobre o caso

Durante a investigação sobre a morte da jovem Eliza Samudio, o advogado do goleiro Bruno Fernandes de Souza, principal acusado pelo crime, causou polêmica em repetidas afirmações de que, como não havia corpo, não havia homicídio. Na tarde desta terça-feira, no Fórum de Esmeraldas – município onde o jogador tem um sítio e onde a vítima teria ficado em cativeiro – foi a vez de o atleta insinuar que a morte simplesmente não ocorreu. “Eliza está viva em São Paulo. Está acabando com minha vida e estou sofrendo muito por isso”, disse, ao deixar a audiência.

Outro acusado do crime, o amigo e braço-direito do jogador, Luiz Henrique Ferreira Romão, conhecido como Macarrão, também deu declarações que tentam desmentir o crime. “Ela sempre falava que queria acabar com a vida do Bruno. Agora, acabou com a vida de todo mundo. Ninguém matou a Eliza”, afirmou Macarrão, que é acusado pelo Ministério Público e pela polícia mineira de ter conduzido Eliza para a morte e de tê-la aplicado chutes, quando agonizava no chão, depois de ser estrangulada pelo ex-policial Marcos Aparecido dos Santos – que, segundo a denúncia, foi contratado para matar Eliza.

O goleiro afirmou ainda que tem esperança de voltar a jogar futebol. E disse acreditar “na Justiça de Deus”. “A Justiça dos homens pode não funcionar, mas a de Deus não falha”, afirmou.

Os nove acusados pelo crime foram levados na tarde desta terça-feira para o Fórum de Esmeraldas, para a oitava audiência do caso na Justiça. Além de Bruno, Macarrão e de Marcos Aparecido, estiveram no Fórum o primo do jogador, Sérgio Rosa Sales, Elenilson Vitor da Silva, Flávio Caetano de Araujo, Wemerson Marques de Souza, Dayanne de Souza (ex-mulher do goleiro), Fernanda de Castro, ex-amante do goleiro, acusada de participar do transporte da vítima do Rio até Minas e de ser cúmplice do seqüestro.

Figura sempre polêmica, o advogado Ércio Quaresma não compareceu, alegando motivos de saúde. O defensor do grupo evitou, assim, a exposição no momento em que há acusações de que ele teria feito ameaças à família do jogador e a sua atual noiva, a dentista carioca Ingrid Oliveira.