Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brumadinho é alerta para empresas não negligenciarem os riscos

Tragédia deixa a lição de que, muitas vezes, é necessário ir além das normas legais, dizem especialistas do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa

A tragédia de Brumadinho envolvendo a Vale serve como um alerta para que as empresas levem em consideração, com seriedade, os impactos sociais e ambientais em seus modelos de negócios e na tomada de decisões. É uma recomendação que se aplica principalmente para companhias de setores nos quais os riscos socioambientais e trabalhistas sejam inerentes à atividade exercida. Essa é a análise de Heloisa Bedicks, superintendente-geral do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), e Richard Blanchet, membro do conselho de administração do instituto, que são especialistas no tema.

“Episódios como esse reforçam a conscientização de que as empresas geram externalidades que impactam a sociedade e o meio ambiente”, diz Blanchet. As consequências de eventos não previstos podem ser dramáticas, com impactos que perduram por gerações, como é o caso daqueles no campo ambiental.

“Quando casos assim acontecem, as empresas precisam revisitar todos os seus controles, rever o mapeamento dos riscos e dos impactos e daí tomar decisões que podem ser mais restritas sobre os negócios”, afirma Bedicks. Ela completa dizendo que é necessário que haja um código de conduta que seja de conhecimento de toda a cadeia relacionada à companhia. Outra recomendação é que as empresas adotem uma política de comunicação transparente, que leve as informações com precisão e agilidade para a sociedade.

Blanchet diz que o alerta é direcionado também para aquelas companhias que já julgam que estão sendo cautelosas com os riscos inerentes à sua atividade. Segundo ele, atividades que envolvem riscos ambientais e trabalhistas elevados, como os de extração mineral, já estão sujeitas à regulação do governo, mas isso não significa que o cumprimento das exigências legais seja suficiente. “Muitas vezes, as empresas só descobrem na prática, em episódios como esse (em Brumadinho), que é necessário ir além do que as normas preveem para administrar adequadamente os riscos”, afirma o advogado.